Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

As 10 melhores comédias românticas de todos os tempos

As comédias românticas há muito fornecem ao público algumas das histórias mais populares de todos os tempos. Quer estejamos falando de Patrick Swayze em Ghost, Matthew McConaughey em Como Perder um Homem em 10 Dias, ou Richard Gere em Uma Linda Mulher, comédias românticas oferecem ao público uma boa dose de afeto humano.

Um elemento regular das comédias românticas do século 20 era apresentar uma estrela estabelecida de Hollywood no comando, fosse Audrey Hepburn, Marilyn Monroe ou Tom Hanks. À medida que o gênero entrou no século 21, essa tendência começou a diminuir, com novas temáticas e experimentos tomando força nas comédias românticas, que hoje cruzam ainda mais outros gêneros para diversificar suas histórias.

Compilamos as dez maiores comédias românticas já feitas, garantindo que uma experiência charmosa e inegavelmente hilária. Confira!

Quatro Casamentos e Um Funeral (Mike Newell, 1994)

Os roteiros açucarados de Richard Curtis podem não ser para todos, com filmes como Love Actually e Bridget Jones’s Diary sendo muito twee para alguns, o filme de 1994 Quatro Casamentos e Um Funeral tira o máximo proveito do talento do escritor britânico.

Estrelado por Hugh Grant, como o título sugere, o filme conta a história de quatro casamentos e um funeral, todos com a presença de Charles, seus amigos e sua possível amante.Um clássico da comédia britânica, o filme de Mike Newell apresenta um elenco adorável que inclui Simon Callow, Kristin Scott Thomas, Andie MacDowell e Rowan Atkinson, com cada ator trazendo seu melhor jogo.

Quatro Casamentos e Um Funeral (Mike Newell, 1994)

10 Coisas Que Eu Odeio em Você (Gil Junger, 1999)

Baseado na peça de William Shakespeare, A Megera Domada, 10 coisas que eu odeio em você é uma adaptação verdadeiramente inteligente, ambientando o conto reimaginado em uma escola secundária e encharcado de nostalgia dos anos 90.

Contando a história de uma adolescente popular que não pode sair em um encontro até que sua irmã mais velha menos estilosa o faça, o filme de Gil Junger, escrito por Karen McCullah e Kirsten Smith, é uma alegria de se ver e consumir, em grande parte graças ao desempenho no filme de Heath Ledger. Deixando de lado todo o ego para o papel de Patrick Verona, Ledger brilha ao lado de nomes como Julia Stiles, Joseph Gordon-Levitt e Larisa Oleynik, com o filme sendo um sucesso surpresa para os fãs de todo o mundo.

10 Coisas Que Eu Odeio em Você (Gil Junger, 1999)

O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (Jean-Pierre Jeunet, 2001)

Amplamente conhecido como um dos maiores sucessos comerciais do cinema francês, o encantador filme de 2001 de Jean-Pierre Jeunet, O Fabuloso Destino de Amelie Poulain, conta a história singular de uma jovem que decide ajudar as pessoas ao seu redor enquanto busca ela mesma um relacionamento amoroso.

Com Audrey Tautou no influente papel principal, Amélie se tornou um filme icônico do século 21 que trouxe a magia do vibrante cinema new-wave para o público moderno, visualmente inspirado por nomes como Louis Malle e Jean-Luc Godard.

Com a trilha sonora icônica de Yann Tiersen, Amélie é uma alegria pura de assistir, sendo uma vibrante celebração dos pequenos prazeres da vida e um doce romance para arrancar.

O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (Jean-Pierre Jeunet, 2001)

Podres de Ricos (Jon M. Chu, 2018)

O romance de Jon M. Chu, Podres de Ricos (Crazy Rich Asians), um filme que é tão divertido quanto de vital importância. Tendo sofrido com estereótipos no cinema, personagens asiáticos protagonizam o celebrado filme de Chu de 2018 em uma história que segue Chu (Constance Wu), uma nova-iorquina que viaja para Cingapura para conhecer a família de seu namorado, que é surpreendentemente rico.

Com grande representatividade na frente e atrás das câmeras, Podres de Ricos é um prazer absoluto de romance, estrelado por alguns dos maiores atores contemporâneos, incluindo Henry Golding, Michelle Yeoh e Awkwafina.

Podres de Ricos (Jon M. Chu, 2018)

Ensina-Me a Viver (Hal Ashby, 1971)

Uma grande comédia romântica não precisa apresentar uma estrela de Hollywood esculpida. O clássico filme de Hal Ashby de 1971, Ensina-Me a Viver (Harold and Maude), é um titã do gênero que se recusa a obedecer ao clichê.

Girando em torno de um casal improvável que consiste em um jovem suicida de 20 anos e uma mulher otimista de 79 anos, o favorito cult de Ashby é uma comédia existencial comovente que se concentra na necessidade inata de conexão humana. Escrito pelo escritor Colin Higgins, o hilário romance é considerado uma das maiores comédias negras de todos os tempos por um bom motivo, sendo um filme totalmente agradável com uma conclusão profunda.

Ensina-Me a Viver (Hal Ashby, 1971)

A Paixão de Gregory (Bill Forsyth, 1981)

Crescer nunca é tão chamativo quanto Hollywood faz parecer, e é por isso que o filme de Bill Forsyth, A Paixão de Gregory (Gregory’s Girl), é um clássico. Uma lembrança encantadora do amor jovem, Gregory’s Girl estrela um elenco de atores não profissionais como meninos e meninas tentando enfrentar os desafios da adolescência em Cumbernauld, na Escócia.

A história segue Gregory (John Gordon Sinclair), um adolescente desengonçado que tenta conquistar o coração de Dorothy (Dee Hepburn) jogando no time de futebol.

Com vários momentos de coração genuíno e humor obscuro, o filme de Forsyth continua sendo uma alegria de assistir e contemplar, mesmo que haja alguns momentos desatualizados que podem não funcionar tão bem se lançados hoje.

A Paixão de Gregory (Bill Forsyth, 1981)

As Patricinhas de Beverly Hills (Amy Heckerling, 1995)

Quando se trata de dramas do ensino médio, todos os filmes desde As Patricinhas de Beverly Hills, de 1995, tentaram copiá-lo de alguma forma ou forma, emprestando sua direção de arte vibrante, roteiro ágil ou personagens inteligentes. Estrelando Alicia Silverstone como uma rica alpinista social chamada Cher, o filme conta a história de seus esforços para encontrar um namorado enquanto é uma casamenteira por si mesma, persuadindo dois professores a namorarem como seu primeiro ato de romance.

Também apresentando nomes como Paul Rudd, Brittany Murphy, Donald Faison e Stacey Dash, há uma razão pela qual Clueless continua sendo um clássico tão amado, com a hilária comédia romântica mal parando por um minuto em sua busca para entreter.

As Patricinhas de Beverly Hills (Amy Heckerling, 1995)

Amigas de Colégio (Lukas Moodysson, 1998)

Escrito e dirigido pelo cineasta sueco Lukas Moodysson, Amigas de Colégio (Show Me Love) conta a história de duas adolescentes crescendo em uma pequena cidade que se apaixonam constantemente.

Além de ser um filme de arte estilisticamente inovador, o room-com de Moodysson também é apropriadamente engraçado para um conto de dois adolescentes entediados e sufocados pela criatividade. Caloroso e autêntico, o filme é uma expressão maravilhosa da dor e da coragem que acompanham o ser humano.

Recebendo elogios da crítica, bem como amor do público sueco, o filme ganhou o prêmio de ‘Melhor Longa-Metragem’ no Festival de Cinema de Berlim de 1998 e permaneceu um clássico do cinema europeu contemporâneo, elevado por duas maravilhosas atuações principais de Alexandra Dahlström e Rebecka Liljeberg.

Amigas de Colégio (Lukas Moodysson, 1998)

Nos Bastidores da Notícia (James L. Brooks, 1987)

Seria um descuido considerável fazer uma lista das dez maiores comédias românticas de todos os tempos e deixar de lado o escritor e diretor de Termos de Ternura e O Melhor É Impossível, James L. Brooks. Embora certamente esteja em debate, optamos por sua melhor comédia romântica para ser Nos Bastidores da Notícia, estrelado por William Hurt, Albert Brooks e Holly Hunter, um filme que segue dois repórteres de televisão rivais e a mulher que os deslumbra.

Indicado a sete Oscars em 1988, incluindo ‘Melhor Filme’, Nos Bastidores da Notícia de James L. Brooks é considerado um clássico por um bom motivo, contando uma história cativante que aquece o coração e faz você rir o tempo todo. O que mais você poderia pedir de uma rom-com?

Nos Bastidores da Notícia (James L. Brooks, 1987)

Harry e Sally – Feitos um para o Outro (Rob Reiner, 1989)

Famosamente escrito pela icônica roteirista Nora Ephron, Harry e Sally – Feitos um para o Outro (When Harry Met Sally), de Rob Reiner, é um clássico do gênero que há muito resiste ao teste do tempo graças ao seu roteiro preciso e performances inspiradoras.

Com Billy Crystal e Meg Ryan no comando, o filme segue dois amigos íntimos que se conhecem há vários anos e decidem se envolver em um relacionamento, apesar do medo de arruinar sua amizade.

Graças à notável química entre os dois protagonistas, Harry e Sally – Feitos um para o Outro é adorável sem esforço, contando uma história genuinamente única que irradia personalidade e charme.

Harry e Sally – Feitos um para o Outro (Rob Reiner, 1989)
Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Arthus Fochi cria um Rio de Janeiro melancólico em EP com Scott Hill

Próxima publicação

Burn the Witch: Tite Kubo apresenta seus bruxos e feiticeiros em uma Londres Reversa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir