Festival do Rio: Bad Lieutenant, de Werner Herzog

4
4

Bad Lieutenant Port of Call New Orleans

Diante dos infinitos recursos da indústria cinematográfica hollywoodiana, Werner Herzog, diretor deste “Bad Lieutenant, Port of Call New Orleans”, o cineasta alemão, demonstrando grande honestidade, pagou direitinho direitos e tributo à obra inspiradora desta, “Vício Frenético” (The Bad Lieutenant, 1992) de Abel Ferrara. Não precisava. Sendo o personagem protagonista a única coisa que lembra o filme original, teria passado desapercebido por qualquer advogado de direitos autorais. De resto, o roteiro de William M. Finkelstein, com episódios de séries televisivas policiais tais como “Law & Order” e “NYPD Blue” em seu currículo, não dá a menor dica.

Ao invés de Nova Iorque, aqui a trama se dá na, “Big Easy”, Nova Orleans, cidade cujos policiais são conhecidos pelos colegas de outras cidades como corruptos. Imaginem o nível da questão. Perto deles, o Katrina é fichinha. Um deles é Terence McDonagh, vivido por Nicholas Cage, imoral, antiético e viciado em drogas e jogo. Aqui ele investiga o massacre de imigrantes africanos envolvidos com tráfico de entorpecentes. Cage faz dele um vampiro expressionista tal qual o Nosferatu de Murnau, também reconduzido às telas por Herzog. Seja pelo olhão, aqui de adição, seja pela coluna encurvada do vampiro ou o trabucão que carrega na cintura.

A comparação com o imortal das trevas é brilhante. O policial é um verdadeiro sugador de dignidade e cidadania de suas vítimas ao exercer seu poder de maneira ilícita.

A narrativa é conduzida em tom cínico e humorístico dentro de um reconhecível estilo do diretor. Elementos tais como montagem, fotografia e “sujeiras” assim como longos planos em que o personagem é visto andando de costas, sobrepondo-o ao seu ponto de vista, estão lá para que fãs do diretor não se decepcionem. Ah, sim, Iguanas, fascínio obsessivo do diretor onipresente em seus filmes, também estão lá.

O filme de Ferrara é ótimo mas não procure por ele. Ao assistir a este, curta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 thoughts on “Festival do Rio: Bad Lieutenant, de Werner Herzog

  1. I dont see the logic in your argument but I think you’ve painted your strokes

  2. Este filme é maravilhoso, faz muito tempo que eu não via o Nicolas Cage atuando de verdade, sem dúvidas um diretor bom faz toda diferença.

    Palmas para o Herzog!!!

  3. Outro filmaço que tiver oportunidade de assistir acidentalmente na quarta, faz tempos que nao via um filme policial/mafia/crime/politica desse nível. Vou ver de novo com a patroa quando tiver passando no cinema.