“Eu não sei se essa história é triste ou se é da sua conta, mas seja compreensivo, por que morrer é um troço que acaba com a vida de qualquer um.”

Ana Argento é uma cartunista e seu personagem mais famoso é um zumbi. Ela acorda dentro de um saco preto num necrotério, ao lado do cataléptico Tom, que já morreu umas oito vezes, e do médico legista Daniel, que tem “os seus métodos”.

Um psiquiatra suicida, sua esposa assassinada e um barman suspeito são alguns dos personagen que se entrecruzam na história, com ritmo de videoclipe, estética de quadrinhos e inserções de animação.

Adaptação da peça homônima, o filme é uma viagem doida por uma história de humor negro. Coisa rara no cinema nacional, com uma estética universal (não fosse pela língua, passaria como um filme alemão, por exemplo). Vale conferir e tirar conclusões próprias…