em , ,

Movie Tunes: Vangelis

Sim, o Movie Tunes ainda está vivo e hoje eu venho até vocês falar um pouco de um dos mais famosos compositores de trilhas sonoras de filmes de todos os tempos: Evangelos Odysseas Papathanassiou , mais conhecido como Vangelis. Nós já ouvimos um pouco de seus trabalhos no Movie Tunes: Blade Runner.

Nascido em 1943 e tendo participado de bandas que tocavam “música clássica psicodélica” (seja lá o que for isso) nos anos 60, ele passou os anos 70 fazendo trilhas para documentários sobre animais, o que acabou chamando a atenção das produtoras maiores. Sua primeira trilha sonora famosa talvez seja uma das mais marcantes da história do cinema: Carruagens de Fogo.

[youtube]http://youtu.be/RI9wiygIrrU[/youtube]

O filme conta a história de superação de dois corredores do time de atletismo inglês nas olimpíadas de 1924. Um deles, judeu, corre para provar que todo preconceito de seus colegas de faculdade enquanto o outro, um missionário inglês na China, se dedica ao esporte pelo prazer e por entender que aquilo foi a razão pela qual Deus lhe trouxe a Terra. O filme ficou muito marcado no começo dos anos 80, especialmente graças a trilha de Vangelis que a partir daí ficou famoso e acabou levando um Oscar por esta trilha.

Logo após este filme, ele faria a trilha sonora de Blade Runner em 1982 e, se o filme hoje é relembrado com tanto carinho por todos os fãs, muitas dessas razões se dão pelo fato da trilha de Vangelis se encaixar tão perfeitamente ao filme. Entretanto, na versão original, a trilha toda foi regravada por um novo grupo de músicos tendo-se em vista disputas entre o compositor e os produtores do filme. A briga durou 12 anos e só foi resolvida com o lançamento em 1994 da primeira versão do diretor do filme, com diversos trechos da trilha original restaurados.

No ano seguinte, em 1983, uma das trilhas mais famosas de Vangelis foi escrita e pouquíssimas pessoas sabiam que ela era dele. Toda aquela vez que passa uma reportagem do Globo Reporter sobre a Antartica e sua imensidão gelada, é usada uma mesma música. Só que, ao invés de colocar a trilha, eu vou postar aqui o filme inteiro. Ele se chama “Antartica” e se você não chorar até o final, você é insensível e cruel e eu não quero que você continue lendo este artigo.

[youtube]http://youtu.be/WHFgmmCF1zg[/youtube]

Choraram? Pelo menos querem saber a história já que sequer deram play no video? Bem, o filme retrata uma história real ocorrida com 2 cientistas japoneses que se veem obrigados a abandonar seus cães em meio a uma tempestade de gelo. Alguns anos depois, com remorso, os dois voltam ao local pensando em enterrar os corpos dos cães. Qual a surpresa de ambos quando descobrem que alguns dos cães ainda estavam vivos. Bem, vocês podem imaginar o climão que fica o filme todo.

A música que eu falei ali em cima é esta abaixo.

[youtube]http://youtu.be/HUcRUc2GTcM[/youtube]

Em 1992 ele volta a trabalhar com Ridley Scott no filme 1492 – A Conquista do Paraíso. Aqui já vemos uma mudança em seu estilo, inserindo um coral e diminuindo os sintetizadores de suas composições. O resultado é uma trilha enxuta e muito bonita com a marca registrada de Vangelis – que é sempre ser extremamente sentimental em tudo o que faz. Dificilmente se pega uma trilha sonora dele no qual haja qualquer tipo de distanciamento.

O filme conta a viagem e a chegada de Cristovão Colombo à América e foi lançado para coincidir com os 500 anos do descobrimento da América.

[youtube]http://youtu.be/QPYL9swf2_k[/youtube]

Ele ainda escreveu músicas para peças de teatro, balé e para a abertura das Olimpíadas da Grécia. Nos filmes ele tem trilhas sonoras em filmes como “O Último dos Moicanos, Alexandre e Lua de Fel”. Até hoje é difícil de encontrar palavras para descrever o trabalho dele e com certeza muita coisa já foi copiada de suas obras, tanto em estilo de outros compositores como até trechos de suas peças em outras trilhas.

Se ainda veremos mais trilhas sonoras fantásticas dele, só o tempo dirá, mas aparentemente Vangelis já não tem tanta vontade pegar trabalhos grandiosos, se dedicando a trilhas mais simples e intimistas. Um ótimo compositor e que com certeza já tem seu lugar guardado entre os mais famosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pró Player

Publicado por J.R. Dib

GamerCinéfiloMusicólogo

Com “Argo”, Ben Affleck prova que não está em Hollywood para ser subestimado

“Killer Joe” é mais um imperdível filme para se orgulhar de 2012