Poeta Diego Pansani explora forma, procedimento e temática contemporânea

25
0

“Não há como se desvencilhar da questão mais evidente que  Pansani suscita com seu novo livro: a dúvida em torno dos limites da própria ideia de criação e autoria.”
Paulo Ferraz, no prefácio de “Poesia é risco”

Conhecido por seus títulos em poesia “O Amador” (2018) e “Nenhuma Poesia” (2019), o escritor campinense Diego Pansani lança dois novos projetos: “Poesia é risco”, pela edições Jabuticaba; e “No meio da piscina tinha uma ergométrica”, HQ independente elaborada em conjunto com Allyson Campos, Pedro Colombo e Vitor Pansani – ambos contemplados no ProAC/2021. 

O livro de poemas “Poesia é risco” – que traz inspiração no título homônimo da performance de 1996 do poeta Augusto de Campos – faz uso essencialmente do blackout, procedimento que consiste em riscar palavras ou trechos de um texto, produzindo, assim, uma nova obra.

Segundo Pansani, a investigação dessa poesia expandida – que evidencia questões como autoria, processos de escrita e, até mesmo, a maneira como se trabalha a linguagem na poesia – tem início em 2018, quando o autor participou do Curso Livre de Preparação do Escritor (CLIPE), oferecido pela Casa das Rosas. “Ali tive contato com referências e processos poéticos não usuais”, conta. “Depois, conheci a obra da filósofa Marjorie Perloff, e aprofundei as questões do que vem sendo chamado de “escrita não-criativa” (já esboçados no livro Nenhuma Poesia, de 2019).”

Foi na pandemia, porém, que Pansani começou a explorar o blackout, inicialmente compartilhando seus experimentos nas redes sociais.  “Desde então o processo de escrita tem sido o da não escrita: do corte, da obliteração, do apagamento – uma escrita por eliminação e não exclusivamente por adição”, afirma.

Nesse sentido, há um ponto de conexão com a HQ “No meio da piscina tinha uma ergométrica”, cujo processo de escrita também se inicia durante a pandemia. É a partir de um conto não selecionado em um concurso literário que surge a ideia de uma História em Quadrinhos, cujo enfoque, inicialmente, seriam os entregadores de aplicativo, que estariam ainda mais expostos à tragédia político-sanitária da pandemia, abordando também a falta de representatividade de corpos com deficiências neste contexto.

Este projeto foi conduzido a oito mãos. Ao falar do processo de escrita, o autor conta que conversou com um amigo, Pedro Colombo, que teria “topado a empreitada”. Segundo ele, “Superamos o conto, mapeamos linhas de força narrativa, consideramos outras personagens que se integrariam à trama da protagonista e com esse primeiro esboço convidamos os dois ilustradores talentosíssimos, Allyson Campos e Vitor Pansani, para seguirmos com o projeto”. 

Com.tato comunicacao
WRITTEN BY

Com.tato comunicacao

Somos uma agência de curadoria de comunicação que fortalece a imagem de pessoas e empresas que trabalham com cultura por meio de uma comunicação humanizada e autêntica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *