em ,

Concorra ao do livro ”O corvo: gênese, referências e traduções do poema de Edgar Allan Poe”

Depois de apresentar aos leitores do Ambrosia a poesia “O Corvo” (The Raven), do escritor estadounidense Edgar Allan Poe, e também comentarmos a recente produção cinematográfica de mesmo nome que colocou John Cusack de Poe, decidimos junto com a Editora Hedra sortear um exemplar do livro ”O corvo: gênese, referências e traduções do poema de Edgar Allan Poe” para um leitor do site através de promoção no Twitter do Ambrosia.

Participar é simples, basta estar seguindo o perfíl do Ambrosia e retuitar a seguinte mensagem:

Estou concorrendo ao livro O Corvo. Siga o @ambrosiacombr e dê RT para concorrer. goo.gl/GKNmR

A promoção vai acontecer entre hoje, quinta-feira 17 de maio e domingo, 20 de maio de 2012 – quando anunciaremos o vencedor. O sorteio acontece pelo Sortei-me, uma ferramenta popular e segura que garante a imparcialidade da promoção. Então não deixem de participar, o livro é bem legal e fica bem na estante de qualquer coleção de livros 😀

Detalhes do livro, que também pode ser adquirido no site da Editora Hedra.

O corvo: gênese, referências e traduções do poema de Edgar Allan Poe reúne as mais importantes traduções para o português até o presente — e outras línguas neolatinas — do célebre poema de Poe, incluindo as consagradas de Machado de Assis, Fernando Pessoa, Baudelaire e Mallarmé. Organizado e introduzido por Claudio Weber Abramo, o estudo conforma a mais alentada edição desse clássico da literatura universal já realizada no Brasil. Dividido em seções, tem como ponto de partida a investigação da gênese do poema, passando, em seguida, ao mapeamento de suas referências e fontes, ou seja, às origens literárias que possivelmente inspiraram Poe nessa composição (incluindo-se a Bíblia), até deter-se em sua simbologia e nas raízes culturais das imagens que a povoam. Culmina com a apresentação e a análise, estrofe a estrofe, das traduções do poema. A elas, Abramo soma a sua própria tradução, que servirá de guia semântico para as futuras discussões em torno da possibilidade de vertê-lo. Publicado pela primeira vez em 1845, “O Corvo” rapidamente ressoou em todo o território norte-americano, e daí ao além-mar na mesma velocidade. Foi reimpresso, imitado e parodiado por inúmeros autores e tradutores, repercussão que, pode-se dizer, mantém-se nos dias de hoje. As causas de seu magnetismo também receberam, logo de sua publicação, interpretação após interpretação, e as traduções sucessivas de que foi e continua sendo objeto dizem muito do fascínio que exerce. Porém, a composição complexa (em que sentimentos e ideias se encontram entrelaçados e concentrados de modo magistral), o ritmo hipnotizante, a profusão de símbolos, fazem do poema um desafio para os tradutores. Até mesmo Baudelaire e Mallarmé, dois dos maiores poetas franceses, optaram pela prosa no momento de vertê-lo. E apesar de todos esses obstáculos, “O Corvo” está entre as obras mais traduzidas da história da literatura. Esse livro dedica-se, precisamente, à análise em distintos níveis dessa composição para, só então, colocar em marcha uma avaliação das traduções realizadas até hoje.

 Claudio Weber Abramo é matemático por formação (USP), com mestrado em lógica e filosofia da ciência (Unicamp). Na maior parte da vida trabalhou na área editorial. Desde 2000 dirige a ONG Transparência Brasil, dedicada ao combate à corrupção no país. Já trabalhou como tradutor, circunstância que motivou este livro. Publicou (na internet) a única reunião completa dos contos de Machado de Assis.

alguém opinou!

Deixe sua opinião!

Deixe sua opinião

“O Corvo” decepciona ao fazer suspense com Edgar Allan Poe

White Stripes briga pelo menor show de todos os tempos