em ,

Angra e o metal, na Fundição!

Como disse Rafael Bittencourt; Kiko foi representar o Brasil e o Angra pelo mundo assumindo uma das guitarras do Megadeath. Quem ficou no lugar com sotaque e tudo mais foi Marcelo Barbosa guitarrista do Almah, que por curiosidade é também a banda de Edu Falaschi. Edu integrou o Angra durante 15 anos pós André e hoje quem está em seu lugar é Fabio Lione. Fabio é italiano e confesso que fiquei esperançoso ao ver todos tocando ao vivo.

Talvez o que faltava justamente para o Angra era outro vocalista com bastante personalidade e experiência. O batera também mudou, agora é Bruno Valverde quem bate os tambores. Pra falar a verdade o “bicho” toca muito mas não o chamaria de monstro…

Bom, pontos ruins ou bons o Angra está aí pra quem quiser ver ou falar no Brasil e fora dele.

Pude conferir de perto o show que rolou na Fundição Progresso e acabei deveras contagiado e impressionado, já que apesar de ouvir, nunca havia ido a uma apresentação ao vivo do Angra.

Mesmo com o desempenho pífio do som da casa deu pra perceber por que o Angra está na ativa até hoje. Pra quem não compareceu, a quase discromática Rafa Chlum registrou boa parte das emoções, aqui na galeria.

A noite ficou também por conta das porradarias brasileiras DevilSin e Republica, que abriram o espetáculo e, que vamos combinar, de brasileiras só a nacionalidade e o discurso mesmo…

Deixe sua opinião

Publicado por Rodrigo

Cláudia Raia comemora 30 anos de carreira com espetáculo autobiográfico entusiasmante no Teatro Oi Casa Grande

Marco Zero, de Neil Labute, no teatro da Caixa Cultural