em ,

Copa de Arte e Cultura: dicas do grupo F

Argentina: Quino & Mafalda

Nuestro país hermano além de uma das grandes potências do futebol também possui uma cultura rica que vai além do tango, sendo Buenos Aires inclusive a cidade com maior número de livrarias do hemisfério sul. Ainda assim o cartunista Quino, criador da universal Mafalda, acabou convocado para representar a Argentina nesta Copa de artes e cultura.
Após falhar em utilizar a personagem Mafalda e suas tirinhas como ferramenta de marketing para uma empresa já esquecida, o editor do jornal Primera Plana convidou Quino a lançar suas tirinhas deixando de fora o conteúdo publicitário, e assim o fez Quino em 1963 de maneira tão genial – misturando conceitos políticos e familiares com uma sensibilidade ímpar, que sua pequena empreitada acabou atravessando uma década extremamente criativa para Quino, que por forças maiores acabou trocando de jornal algumas vezes até 1973 quando decidiu encerrar a história da personagem.
 futebol
Mafalda-Quino-2
560155_544808758876815_1024862802_n
Nigéria: Mamar Kassey
Apesar de culturalmente rico, o continente africano sempre passou por problemas para ter sua arte exportada para o resto do mundo, principalmente por questões de preconceito ainda enraizadas na nossa sociedade, mas com os movimentos de reorganização política que o continente ainda atravessa aliado ao mundo digital, cada dia mais disponível,  timidamente estamos ganhando oportunidade de fazer descobertas incríveis.
Da Nigéria selecionamos o conjunto de jazz étnico Mamar Kassey, batizado assim em homenagem a um lendário guerreiro do antigo império Songhai, num exemplo da África que desconhecemos e possui muito a mostrar nesta aldeia global. Misturando ritmos tradicionais locais, como o Hausa, Djerma, Fula com jazz contemporâneo e um toque de latinidade,  o grupo foi formado em 1995 e de lá para cá atingiu grande reconhecimento nacional.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=Yda-GvN70GM[/youtube]

Irã: Tehran Remixed
Tehran Remixed é um projeto fotográfico que Amirali Ghasemi iniciou em 2005 para contrapor o contraste prejudicial que a grande mídia mostra o Irã como um país apenas devastado pela política. Nas imagens de Ghasemi pessoas respiram vida no dia a dia como em qualquer parte do mundo.

 
Uma questão importante de Tehran Remixed, muito bem pensada pelo autor, se trata do mantimento da anonimidade das pessoas fotografadas, ressalva importante no Irã, e universalidade da imagem. Ainda assim Ghasemi  assegura que dez anos passados do registro dataram o trabalho num Irã que não existe mais, já que mesmo a classe média alheia ao momento politico hoje com as redes sociais também é confrontada por questões antes inéditas.
DSC05380
DSC03651
017
Bósnia: Dubioza Kolektiv
A banda Dubioza Kolektiv foi formada em 2003 por jovens que cresceram no país envolvo em conflitos, mas que assim como tantos outros artistas de países destroçados pelos conflitos de poder, buscam na arte a redenção e o bom humor no caminho por um momento melhor para seu país. Vencedor em 2011 do MTV European Music Awards como melhor grupo Adriático,  Dubioza Kolektiv mistura reggae, hip-hop, e rock em grande estilo e vale a audição.
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=jLPyNDlERzo[/youtube]
Em Wild Wild East, seu último trabalho, lançado em 2011, o grupo adotou letras em inglês e com isso ganhou maior repercussão internacional, além de espalhar sua mensagem de paz e tolerância para outros recantos do planeta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *