em

A volta do Faith No More: trajetória e o retorno aos palcos

O Faith No More está de volta. A banda, que será uma das atrações principais do Rock in Rio, iniciou no dia 15 de abril sua primeira turnê americana em 18 anos. Após uma série de altos e baixos, parece ser um retorno definitivo. O FNM foi formado em San Francisco (Califórnia) em 1981, e chamava atenção com uma sonoridade que mesclava punk, hip hop, funk, heavy metal e até progressivo.

O disco de estreia só sairia mesmo em 1985 e até então a banda já havia contado com vários vocalistas, incluindo Courtney Love.

Formação com Chuck Mosley nos vocais
Formação com Chuck Mosley nos vocais

O debut ‘We Care A Lot’ contava com Chuck Mosley nos vocais e emplacou a faixa título como sucesso na cena de vanguarda norte americana. Mosley duraria mais um disco, Introduce Yourself de 1987, até que foi demitido por unanimidade na banda e substituído pelo amalucado ex-Mr Bungle Mike Patton, que casou como uma luva como frontman.

O álbum The Real Thing de 1989 trazia músicas que foram hits onipresentes no Brasil exatamente um ano depois de seu lançamento nos EUA, graças à MTV Brasil, inaugurada em outubro de 1990, que ditou as modas por aqui naquela era pré-internet.

Formação clássica, com Mike Patton no vocal e Jim Martin (no canto à direita) ainda na guitarra
Formação clássica, com Mike Patton no vocal e Jim Martin (no canto à direita) ainda na guitarra

Os clipes de ‘Epic’ e ‘Falling To Pieces’ fizeram as vendas do álbum dispararem por aqui e o sucesso os trouxe à segunda edição do Rock In Rio. O mais incrível aconteceu: escalados no line up para serem a penúltima banda da noite do dia 20, um domingo, eles fizeram um show tão incendiário que roubou a cena dos headliners, o Guns n’ Roses, a então maior banda do planeta. Já na terra natal, o sucesso era bem mais modesto, mas ainda assim expressivo.

angel dustA pressão era grande para que eles equiparassem ou mesmo superassem o sucesso de The Real Thing no álbum seguinte. A banda não se abalou e lançou Angel Dust em 1992. Tratava-se de um disco que contrariava o que se esperava de uma banda no auge do sucesso. Ao invés de entregar um álbum puxado por hits fáceis e sonoridade palatável, eles optaram por explorar ainda mais o seu lado experimental. O resultado agradou aos críticos, mas as vendas foram aquém do que era esperado. Internamente o período era de turbulência entre a banda e o guitarrista Jim Martin, que acabou deixando o Faith No More em 1994, pouco antes de entrarem no estúdio para gravar ‘King For a Day, Fool For a Lifetime’, que contou com Trey Spruance na guitarra em substituição a Martin.

Lançado em 1995, o álbum se mantinha em posição contrária ao mainstream ainda mais aguda do que emking ‘Angel Dust’. O título foi dado em referência à própria trajetória da banda (“rei por um dia tolo para sempre”). Nos EUA as vendas foram um fiasco, mas as rádios brasileiras se esforçaram para espremer um hit do álbum e conseguiram emplacar ‘Take This Bottle’. O disco também trazia uma faixa chamada ‘Caralho Voador’, Patton, fluente em português chulo fez questão de incluir essa “homenagem” à nossa terra. ‘King For a Day’ toruxe a banda mais uma vez ao Brasil para o Monsters of Rock de 95. O fim era cada vez mais iminente, porém ainda lançariam em 1997 ‘Album Of The Year’. Um ano depois foi anunciado o fim do grupo, seguido da coletânea “Who Cares A Lot”, uma brincadeira com a faixa título do álbum de 1985, mas que soava até um pouco irônico dado o contexto do final das atividades do FNM como banda.

Onze anos depois, o grupo se reuniu e excursionou pela Europa. Em 2011 vieram ao Brasil para o festival SWU. ‘Soul Invictus’ está programado para o dia 19 de maio, mas a banda já está executando músicas do álbum na presente turnê. O setlist do primeiro show, em Vancouver, incluiu o debut ao vivo das inéditas “Sunny Side Up”, “Soul Invictus”, e “From the Dead”. Mas claro, não faltaram clássicos como “Epic”, “King For a Day”, e “Ashes to Ashes” as well assim como o cover dos Commodores “Easy”.

No último show, no dia 09 de maio em Toronto, Canadá, também entrou ‘I Started a Joke’ do Bee Gees. Agora é esperar pelo show no Rock In Rio no dia 25 de setembro, quando será a penúltima atração da noite, abrindo para o Slipknot. Será o retorno 24 anos depois ao festival que os consagrou no Brasil, e curiosamente fazendo a abertura para uma banda que também já roubou a cena da atração principal na cidade do rock. O Slipknot tocou antes do Metallica em 2011 e deixou todos atordoados.

Veja abaixo duas músicas do novo álbum executadas ao vivo no show de Vancouver em abril.

Setlist do último show, em Toronto:

  • Motherfucker
  • Land of Sunshine
  • Caffeine
  • Evidence
  • Epic
  • Sunny Side Up
  • Get Out
  • Midlife Crisis (com Boz Scaggs – ‘Lowdown’ interlúdio)
  • Last Cup of Sorrow
  • The Gentle Art of Making Enemies
  • Easy (cover de Commodores)
  • Be Aggressive
  • King for a Day
  • Ashes to Ashes
  • Superhero
  • Bis:
  • Matador
  • Digging the Grave
  • I Started a Joke (cover de Bee Gees)

 

Deixe sua opinião