Roger Waters faz show de despedida no Rio, mas promete voltar

33
0

“Senhoras e senhores, por favor, ocupem seus lugares. O espetáculo está prestes a começar. Antes de começar, duas mensagens publicas. Primeiramente, em consideração aos demais espectadores, desliguem seus celulares. E em 2º lugar, se você é daqueles que diz ‘eu amo o Pink Floyd, mas não suporto a política do Roger’, vaza para o bar agora. Obrigado.”. Com esse recado dado por uma gravação do próprio, à maneira de um comandante de aeronave dando instruções aos passageiros em um voo, iniciou-se o segundo show da etapa brasileira da turnê This Is Not a Drill de Roger Waters, no Rio de Janeiro.

Em um Engenhão que não chegou a lotar, o ex-líder do Pink Floyd fez um apanhado de sua carreira incluindo repertório da clássica banda e da fase solo, ao longo de aproximadamente duas horas e dez minutos (com meia hora de intervalo). Como foi avisado no anúncio que abriu o show, houve (muita) política, críticas às guerras na Palestina e na Ucrânia, a presidentes norte-americanos e à sociedade de consumo. Marielle Franco foi lembrada na faixa ‘The Powers That Be’, em que o telão exibe uma sucessão de imagens com pessoas que foram assassinadas injustamente pelo sistema, como George Floyd. A vereadora morta em 2018 já havia ganhado uma homenagem na vinda do artista naquele mesmo ano (veja como foi aqui). O momento mais emotivo ficou por conta da lembrança do amigo e cofundador do PF, Syd Barrett, em ‘Wish You Were Here’, quando um texto no telão conta como eles ainda adolescentes tiveram a ideia de formar uma banda voltando de um show em Londres, que teve Gene Vincent e Rolling Stones no line-up. A música seguinte, ‘Shine On You Crazy Diamond’, também continuou a homenagem a Barrett.

Sem uniforme nazista, nem Dark Side Redux

No segundo ato uma mudança: a música ‘In The Flesh?’, que abre a segunda metade da apresentação não conta mais com a indumentária semelhante à de um nazista que causou polêmica. Agora Waters executa a faixa do disco “The Wall” em uma cadeira de rodas, vestindo uma camisa de força. A insígnia dos martelos cruzados que remetem à suástica (um dos ícones da ópera-rock de 1979), que aparecia nesse mesmo momento do show no exterior, também ficou de fora.

Há uma sequência dedicada ao álbum “The Dark Side of the Moon” (‘Money’, ‘Us and Them’, ‘Any Colour You Like’ e ‘Brain Damage/Eclipse’), mas em suas versões originais e não nas do relançamento redux do álbum.

Despedida teoricamente…

Perto do fim, Waters se derramou em elogios ao Brasil e manifestou sua vontade de voltar, apesar de essa turnê ter sido anunciada como a “despedida”, palavra que não foi sequer mencionada durante toda a apresentação. Veja o setlist abaixo.

Set 1:
Comfortably Numb 2022

The Happiest Days of Our Lives

Another Brick in the Wall, Part 2

Another Brick in the Wall, Part 3

The Powers That Be

The Bravery of Being Out of Range

The Bar

Have a Cigar

Wish You Were Here

Shine On You Crazy Diamond (Parts VI-IX)

Sheep

Set 2:
In the Flesh?

Run Like Hell

Déjà Vu

Déjà Vu (Reprise)

Is This the Life We Really Want?

Money

Us and Them

Any Colour You Like

Brain Damage

Eclipse

Two Suns in the Sunset

The Bar (Reprise)

Outside the Wall

Leia mais sobre Roger Waters na Ambrosia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *