Leonor Antunes
em ,

MASP investe em 296 trabalhos de artistas mulheres

O MASP durante 2019 dedicou atenção especial para as mulheres, com uma programação de exposições, publicações, oficinas, cursos e palestras ao eixo temático “Histórias das mulheres, histórias feministas”.

As mostras individuais incluíram as artistas Akosua Adoma Owusu, Anna Bella Geiger, Anna Maria Maiolino, Catarina Simão, Djanira da Motta e Silva, Gego, Jenn Nkiru, Laura Huertas Millán, Laure Prouvost, Leonor Antunes, Lina Bo Bardi e Tarsila do Amaral, além de duas coletivas, “Histórias das mulheres: artistas até 1900” e “Histórias feministas: artistas depois de 2000”.

Santarosa Barreto

Tanto esforço para recompensar essa balança história desigual trouxe 296 trabalhos de 21 artistas contemporâneas, um coletivo e artistas do século 19, para o acervo do museu. São obras de Aline Motta, Ana Mazzei & Regina Parra, Anna Bella Geiger, Carolina Caycedo, EvaMarie Lindahl & Ditte Ejlerskov, Kaj Osteroth & Lydia Hamann, Leonor Antunes, Lucia Guanaes, Luiza Baldan, Lyz Parayzo, Marcela Cantuária, Ruth Buchanan, Sallisa Rosa, Santarosa Barreto, Serigrafistas Queer, Tuesday Smillie, Valeska Soares e Virgínia de Medeiros assim como mulheres (ou grupos de) artistas do Egito, Grã Bretanha, Marrocos, Império Otomano, Filipinas, Estados Unidos e Uzbequistão.

Kaj Osteroth & Lydia Hamann

Segundo Isabella Rjeille, curadora de “Histórias feministas: artistas depois de 2000” e responsável pela maioria das aquisições, “esse é um passo histórico para o museu rumo a uma representação menos desigual na História da Arte em nosso acervo, conhecido principalmente pelas presenças brancas, masculinas e de origem europeia”.

Para Adriano Pedrosa, diretor artístico do museu, “o ano de 2019 foi extraordinário para o MASP no que diz respeito a aquisições e programação, já que tantos artistas que se identificam com o gênero feminino passaram a compor a coleção. O impacto dessas aquisições vai de encontro a missão do museu ao se tornar, cada vez mais, uma instituição inclusiva, diversa e plural”.

E que venha muito mais!

Deixe sua opinião

6 discursos de anime que te deixam arrepiado!

A fenomenal abordagem cinematográfica do bélico em “1917”