em ,

Fortuna Crítica: “Contra Maré” ou “Onda Errada”

Dessa vez vou me superar e não só resenharei meu próprio álbum – como já fiz com o livro em parceria com meu pai, “Ninguém Me convidou” – , mas resenharei um álbum do FUTURO.

Isso que é resenhista. Não sei como ainda não estou ganhando dinheiro com esse trampo.

Esse meu livro com o Julio Adler – ex(?)-surfista profissional e que escreve muito bem – será uma compilação de histórias de surfistas-problema, encrenqueiros, vagabundos, heróis, caras-de-pau profissionais e beberrões.

O problema é que ainda não chegamos a um consenso se daremos nomes aos bois.

Desde Mickey Dora, passando por Michael Peterson, Occy, Picuruta Salazar, Tom Curren e tantos outros, histórias bizonhas e selvagens é o que não falta nos anais do surf profissional.

Mas provavelmente usaremos pseudônimos, detesto advogados e sobretudo odeio levar porrada de surfistas.

Julio hoje em dia cobre campeonatos e é uma enciclopédia viva do surf, além de ter visto in loco várias bizarrices nessa vida de surfista profissional.

Já tivemos algumas reuniões sobre a obra, mas o problema é que tanto ele como eu temos uma agenda meio complicada.

O que eu posso adiantar é será um best seller. Ora, o que não falta nesse mundo é surfista. Putz… Mas desde quando surfista lê? – perguntaria uma alma mais sebosa. Aí que está o pulo do gato: será um livro COM FIGURINHAS!

Puta que pariu, sou ou não sou um gênio?

Ok, seria bom um desenhista melhor para essa tarefa, afinal a plasticidade do surf é realmente impressionante. Talvez só o boxe e o nado sincronizado sejam tão belos, mas enfim, como diria uma amiga minha, “quem tá na chuva é pra se queimar”.

O surfista no final das contas é um desenhista também, afinal ele trabalha desenhando linhas nas ondas, uns mais agressivos, outros mais classudos, mas no final das contas é mais ou menos por aí.

Desenhar onda para mim não é problema – meu problema é só com aglomerados de pessoas. Uma das minhas diversões é assistir filmes de surf.

E eu também fui muito influenciado por um gibi que comprei nos anos 80, “Maynard e o Rato”, uma dupla de surfistas levemente fanfarrões (na verdade o grande fanfarrão era o Rato, mas tudo bem).

Isso foi lançado pela extinta Surfer brasileira, procurem com afinco que vale a pena.

[xrr rating=5/5]

Participe com sua opinião!