Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

Luscar, veterano cartunista e chargista, criador do dr. Baixada, morre aos 73 anos

Nani, Ota, Benício foram alguns nomes que perdemos nos últimos anos. Morreu hoje o veterano cartunista e chargista Luscar, estava internado no hospital do Mandaqui por um câncer no pulmão. Fez parte dos cartunistas que surgiram na mesma época no bairro da Casa Verde, em São Paulo.

Paulista de Salto, Luiz Carlos dos Santos ou como ficou conhecido Luscar, começou a desenhar cedo. Quando pequeno lia O Cruzeiro, A Cigarra e os quadrinhos de Alex Raymond e Hal Foster, Sobrinhos do Capitão, Pafúncio e Marocas, Garotas e Piadas, O Anjo do Colin, Disney, Cavaleiro Negro, Ferdinando, Popeye… Aos 16 anos foi contratado pelo Maurício de Souza.

Publicou seu primeiro cartum em 1968, na revista Cláudia(editora Abril) editada então editada pelo Inácio de Loyola Brandão. No mesmo ano, iniciou-se profissionalmente no Almanaque do Biotônico Fontoura.

No campo das artes gráficas publicou histórias de terror para a editora Vecchi com o pseudônimo Basílio de Almeida, e trabalhou em uma longa lista de publicações, nos grandes jornais ou na imprensa alternativa, como O Cruzeiro, O Bicho, Melodias, Senhor e os jornais, Ùltima Hora, A Gazeta, Jornal da Tarde e Pasquim, entre outros.

Na década de 1970 foi preso na redação de A Gazeta como “comunista”, mas logo foi liberado, mas o fato lhe fechou as portas para continuar em São Paulo, o que o fez ir para o Rio em 1974.

Na década de 1970, foi para o Rio de Janeiro, onde conheceu o Ziraldo, quando o criador da Turma do Pererê, editava, junto com o jornalista Ruy Castro, a revista Fairplay. E ficou por lá 15 anos e através do Fortuna onde se juntou ao pessoal do Pasquim e da revista MAD, levado pelo Ota, que se tornaria seu cunhado.

A sua tirinha do Dr. Baixada, personagem criado na MAD, fez tanto sucesso no Jornal do Brasil, que rendeu ao cartunista e virou livro (editora Circo) e revista (editora Hamasaki) e foi publicada também na revista “X-Nóia, era um misto de justiceiro e criminoso que vivia o dia a dia de uma realidade violenta na periferia do Rio de Janeiro. Luscar publicou alguns revistas de cartuns e HQs pela editora Escala.

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

Reviravoltas e Dolly Parton continua na lista do Rock & Roll Hall of Fame

Próxima publicação

Camisa do Chorão, ex-vocalista do Charlie Brow Jr., está disponível em NFT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir