em

Abnegação II – O começo do fim

Abnegação II – O começo do fim é uma ficção inspirada no assassinato de Celso Daniel, prefeito de Santo André.

Jorge assume a prefeitura cercado de amigos e sua esposa.

Com estima, valores e princípios é emocionante o distanciamento dos amigos interessados nas benesses da vida pública.

Possuir ilicitamente, acumular e gastar a revelia com mercedes bens, charuto cubano, drogas e prostitutas faz Jorge anunciar que tem um dossiê onde guarda nomes e valores desviados por este comitê.

A peça mostra as pequenas relações, como a fidelidade da esposa relativa ao engajamento corrupto de seu marido empossado e o trai com um de seus amigos, todos envolvidos em esquema.

Os personagens ganham uma caricatura do antagonismo entre a conduta idônea de Jorge que acredita na gestão transparente e lícita enquanto seus colegas estão num movimento promíscuo.

Seria ingenuidade de Jorge não fruir na corrente?

O interesse modifica o caráter ou o caráter é firme, sem as influências da corrente?

Jorge ouve sua voz, seus comparsas calam.

Jorge se ocupa com seus princípios e é violado voluntariamente , seu corpo é o departamento da instituição promissora enquanto negocia a conveniência e conivência do comitê e Jorge ao se ouvir mais se distancia de uma conformidade do esquema.

A prática são os vícios de estranhezas particulares.

Os delitos são esclarecidos, eles se aproximam do concreto.

Violência urbana, expressões silenciosas, presença abstrata, atitude não comprometida, compõem valores de pessoas indistintas que obliquamente enfrentam a política tradicional.

Esta peça traz um texto agressivo e violento aproximando-se de um tema policial.

A censura é o estômago. A cena é o corpo como fim.

O discurso temático é pago com a própria vida, contemporâneo à infraestrutura do Brasil do sistema político que em nome de um partido há uma crise política e econômica e a degradação vista por um teatro pobre e desmoralizante.

O que faria nascer a utopia?

Ficha técnica

Dramaturgia: Alexandre Dal Farra;
Direção: Clayton Mariano e Alexandre Dal Farra
Atores: Alexandra Tavares, André Capuano, Lígia Oliveira, Vinicius Meloni e Vitor Vieira
Direção de Produção: Carla Estefan

Armazém Cultural SP / Rua dos Cariris, 48 Pinheiros – Oeste – São Paulo
(011) 2729-5137 armazemculturalsp.com.br / Ingresso: R$ 30 / 70 lugares / Ar condicionado / Acesso para deficiente / Wi-fi

De 05/08/2015 até 10/09/2015 / Quarta: 21h / Quinta: 21h

Participe com sua opinião!