em , ,

“Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood”: entre a memória e o esquematismo

Os Saltimbancos Trapalhões (1981), de J. B. Tanko, foi o filme que melhor mimetizou no cinema a essência dos Trapalhões (ou a saudosa convergência entre Didi, Dedé, Mussum e Zacarias). Por isso é considerado o melhor filme do quarteto. Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood (Brasil, 2017) representa o filme de número 50 de Renato Aragão, e a data redonda coincide com a importância de ser a uma espécie de reimaginação (ou atualização?) do filme de 81.

Dirigida por João Daniel Tikhomiroff, a produção acompanha os bastidores do Grande Circo Sumatra (localizado na fictícia cidade de Barra Feia), que, desde a proibição de animais em espetáculos, tem enfrentado uma grave crise financeira. Diante desta situação, Barão (Roberto Guilherme), o proprietário do espaço, aceita abandonar as atividades circenses para sediar eventos como leilões de gado e comícios do corrupto prefeito Gavião (Nelson Freitas).

Didi entra em cena para manter viva a magia do circo com a ajuda da recém-graduada herdeira do circo, Karina (Letícia Colin), e seus jovens amigos de lona, além do inseparável Dedé. Juntos, decidem empreender um novo espetáculo, que poderá dar novo ânimo econômico para o lugar. Entretanto, por causa do prefeito, do gerente vigente, Assis Satã (Marcos Frota) e sua namorada Tigrana (Alinne Moraes), eles terão muito trabalho para conseguir tal façanha.

O cerne da história e de suas principais músicas, está na peça Os Saltimbancos, de Chico Buarque, Luiz Bacalov e Sérgio Bardotti, e isso só reforça o apelo emocional que o filme já traz em si, até pela luminosa figura do Didi. Eis aqui o grande (e talvez o mais completo) mérito da história revista: Renato Aragão. Seu alcance cômico foi se transformando ao longo dos anos. De sacana para ingênuo, e isso sempre funcionou muito bem para a persona que criou para si.

Mas o roteiro não alcança a medida de seu protagonista. Num investimento equivocado na caricatura e no excesso de subtramas derivativas (há dois casais teens em conflitos de relacionamento), a história dilui a possibilidade de encantamento que aquele universo suscitaria (e que Tanko, lá atrás, compreendeu tão bem) além de se revelar bem esquemática na busca pela nostalgia.

A direção de Tikhomiroff, tão atenta às mise-en-scenes em seu filme anterior, o irregular, mas polido Besouro, aqui não dá ao universo circense o deslumbramento que ele merece. Os números musicais são apresentados de maneira burocrática e pouco inspirada. O final reserva uma surpresa que vai até nos lembrar do DNA do qual esse filme foi retirado. Um sorrisinho afetivo vai escapar de seu rosto bem nesse momento. Entretanto, não será significativo para um aplauso no final.

Filme: Os Saltimbancos Trapalhões
Direção: João Daniel Tikhomiroff
Elenco: Renato Aragão, Dedé Santana, Livian Aragão
Gênero: Comédia musical
País: Brasil
Ano de produção: 2016
Distribuidora: Downtown Filmes
Duração: 1h 39min
Classificação: Livre

Deixe uma resposta

Publicado por Renan de Andrade

Renan de Andrade

A paixão pelo audiovisual me pegou de assalto desde o berço. Assim como a necessidade de desbravar o alcance da comunicação. Formado em Jornalismo e atuando nas áreas de roteiro e direção na TV, sinto-me cada vez mais imerso nos matizes da arte (audiovisual) e da vida (comunicação).

Nos bastidores de “Desventuras em Série” da Netflix

“Manchester à Beira-Mar” toca em temas difíceis com incrível sensibilidade