em

Movie Tunes: A Trilogia do Senhor dos Anéis

Seria muita arrogância da minha parte tentar simplificar nessa minha pequena coluna a fantástica trilha sonora da trilogia do Senhor dos Anéis.

Movie Tunes: A Trilogia do Senhor dos Anéis | Ambrosia | Revista Ambrosia

Howard Shore foi o homem escolhido para trazer a vida todos os temas (mais de 80) recorrentes nos três filmes. Falando rapidamente da formação de uma trilha sonora, o compositor pode criar temas para os personagens principais do filme, temas estes que se repetem durante o filme toda a vez que algo nos remete àquele personagem ou fato em particular. Os temas ou motivos ajudam a relacionar fatos posteriores com os que já ocorreram em uma ópera, filme ou o no caso, a trilha sonora do filme.

Para começar, a primeira cena do filme.

A cena acima já começa com dois dos temas: do Anel e o tema de Batalha.

O grande segredo de uma trilha sonora como essa é ser variada sem perder sua identidade, afinal de contas, se a cada instante em que Aragorn aparecesse tocasse uma música diferente, provavelmente o tema do herói teria meio que se perdido. Entretanto, a trilha sonora não se simplifica em apenas temas. O uso de músicas com conotação emocional e novelesca ajudam a criar todo o clima, especialmente em se tratando dos temas que envolvem os elfos e o romance de Aragorn e Arwen. Com vocês, Evenstar, cantada por Isabel Bayrakdarian.

J.R.R. Tolkien (Meu quase xará!!) criou, entre outras coisas, o élfico falado e cantado no filme entre elas. Na música acima podemos notar o uso da língua élfica (que conforme foi explicado, deve ser cantada e não falada) como base para as letras cantadas pelos corais. Mas não só em élfico que os corais cantam. Todos os temas dos Espectros do Anel tem as letras em Andunáico, a língua dos reis antigos.

E pensar que eu assisti a todas as três partes nas versões extendidas compradas por um amigo meu, que totalizando dá mais ou menos 11 horas de filme. Após essa maratona toda, eu pude escolher a melhor cena de todos os filmes, e com ela, uma das melhores músicas do filme: Flight To The Ford.


Mas Shore não escreveu e traduziu as letras para o élfico, línguas negras ou as tantas mais outras usadas durante o filme sozinho. Os próprios atores e atrizes do filme cantaram diversas músicas durante o filme, escritas por eles com ajuda da roteirista Phillipa Boyens. Uma delas se chama “All Shall Fade” e é cantada por Billy Boyd (Pippin).

Diversas músicas cantadas pelos atores foram retiradas no corte final ou sequer fizeram parte de qualquer cena dos filmes. Originalmente, Shore compôs 12 horas de músicas, sendo que destas, 10 foram gravadas e lançadas recentemente na coletânea de músicas completas do filme, em cds/dvds especiais contendo todas as músicas compostas para o filme.

Por fim, ao final de cada filme, uma música cantada por cantoras famosas servia para passar os créditos finais e um certo atrativo para o público comercial, afinal de contas, como todo bom filme, deve-se ter uma trilha sonora com músicas as quais possam virar clipes da MTV. A mais legal é a do primeiro filme com certeza: “May it Be” de Enya.

Sinceramente, eu não saberia como postar 10 horas de músicas aqui. Os fãs sabem que músicas eles mais amam nestes 3 filmes e eu só pude fazer uma seleção rápida falando um pouco das minhas preferidas e explicando rapidamente o uso da linguagem e dos temas extensamente explorados durante os três filmes. O resto, eu deixo com vocês.

Para aqueles que querem ler mais sobre a música do filme, o Wikipedia tem uma página extensa sobre o assunto.

Por fim, como prometido ao Lam, um remix zoeira chamado “They Are Taking The Hobbits To Isengard”. Assistam por sua conta e risco.

J.R. Dib

One Comment

Deixe sua opinião!
  1. Evenstar sem dúvida é minha favorita.
    Acho que voce conseguiu escolher as melhores sem dúvida. Até mesmo “They Are Taking The Hobbits To Isengard” é muito engraçado haha !
    Gosto da música do Blind Guardian que não entrou pro filme, seria uma ótima escolha !
    Parabéns Dib.
    Até mais.

Deixe sua opinião

Avatar

Publicação J.R. Dib