Ambrosia Críticas "Calmaria": perdido em pretensões

"Calmaria": perdido em pretensões

Espinafrado pela crítica – publicações estrangeiras e brasileiras já atestaram ser um dos piores do ano – “Calmaria”, novo filme do diretor Steven Knight (de Locke) está (bem) longe de ser um primor, mas também não é esse desastre todo. É um noir de veraneio que tem problemas em lidar com o vespeiro que provoca. Como gênero e como história. 

Baker Dill (Matthew McConaughey) é um pescador que vive e trabalha em uma pequena ilha. Certo dia ele recebe a visita de sua ex-esposa, Karen (Anne Hathaway) que faz uma proposta indecente: levar seu marido, o gangster Frank (Jason Clarke), para uma tarde de pesca, atirar ele para os tubarões e lucrar 10 milhões de dólares. O motivo para tamanha maldade? O fato de que Frank abusa da mulher e do filho fruto de seu relacionamento com Dill.

A priori essa é a linha narrativa da trama, mas ela vai se descascando para sentidos mais ambiciosos no tocante à motivação de seus personagens. De fato, o tom da direção atrapalha muito a pretensão do roteiro (Knight escreve e dirige, por sinal!), que após a conclusão, até interessante, deixa alguns buracos inexplicáveis. Tanto que Anne, um atriz competente, soa forçada e pouco crível como uma femme fatale “humanizada”. Fora que o filme é cheio de coadjuvantes desnecessários como a personagem de Diane Lane que se resume a espiar a vida de Baker pela janela.

Há de se reconhecer que o ritmo empregado e a tensão dos conflitos sugeridos até funcionam. Tanto que conforme a grande reviravolta vai acontecendo (e até nos confundindo um pouco), o que mantém nosso interesse é justamente a dinâmica de intrigas em que os três personagens principais estão arrolados.

Calmaria é um filme que, simplificado, seria sobre um pescador que sonha em pegar um grande peixe, mas as circunstâncias de seu passado transformam e o transformam em seu próprio alvo. Era para ter muita complexidade nisso, sobretudo pelos caminhos que o roteiro pretende. Entretanto, o longa quer muitas coisa: ser noir, ser complexo, ser metalinguístico… No fim, é apenas um thriller bem mediano. 

[rwp_box id=”0″]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Novidades

Beastars, uma zootopia das relações sociais

SINOPSE: Em um mundo povoado por animais antropomórficos, herbívoros e carnívoros coexistem. Para os adolescentes da Escola Cherryton, a vida escolar é cheia de...

Madonna se globaliza para manter o reinado pop em “Madame X”

Assim como David Bowie, Madonna está sempre em busca da reinvenção. E da renovação. Aos 60 anos (completa 61 em agosto), a rainha do...

Binarious une trip hop, indie folk e experimental em EP que aborda aflições contemporâneas

O duo brasiliense Binarious reflete o mundo ao seu redor com melancolia, urgência e um olhar contemporâneo no EP de estreia do projeto. Já...

Cantando abertamente o sexo e o amor carnal, MAYA lança lyric vídeo para o indie pop sensual “Set The Mood”

Caminhando entre o R&B e o indie pop, MAYA canta abertamente o sexo e os prazeres em “Set The Mood”, faixa que compõe o...