em ,

Festival do Rio: "Garota Exemplar" e a obscuridade de nossas próprias máscaras

Nada pode ser mais obscuro que nossas próprias máscaras. São através delas que lidamos com profusões de conceitos. Próprios e/ou alheios. A escritora Gillian Flynn fez desse paradigma sua alegoria sobre o jogo de aparências por trás do desaparecimento de Amy Dunne, em seu best-seller Garota Exemplar, que agora chega aos cinemas pelas mãos – especialistas em investigar obscurantismos ficcionais – de David Fincher. A força da história é tamanha que Gillian também escreveu o roteiro do filme, que segue (assertivamente) a risca sua matriz literária. Numa certa manhã de julho, Amy (uma interpretação arrebatadora de Rosamund Pike) desaparece, sem deixar vestígios, além de indícios de ter sido machucada e arrancada de casa. Era aniversário de casamento dela com o marido Nick (Ben Affleck, em correta acepção de seu papel), um escritor fracassado e acomodado em sua condição. Com o desenrolar das investigações a culpa vai recaindo sobre Nick, preso aos novelos das circunstâncias. Seria ele realmente inocente? Há mais fatores nessa intriga que precisam ser analisados? Fincher é genial na construção narrativa de uma ambiguidade que perpassa a noção de anti-heroísmo dos dois protagonistas.

download

O cineasta sabe que trafega pelo universo do cinismo, já que estamos diante de histórias que nunca são, mas sempre estão sendo de acordo com a idealização de um ponto de vista. Esse jogo narrativo é intrigante, e o domínio de Fincher nesse paradoxo faz com que nossa assimilação esteja o tempo todo sendo questionada. O roteiro transcende a ideia de viradas narrativas. A história vai se desenvolvendo numa evolução dramática meticulosa, justificando a humanidade de seus seres. como podemos perceber na incorporação extremamente rica em nuances da atriz Rosamund, que traz em si toda a complexidade dramatúrgica que reside em Garota Exemplar. A força dessa junção de fatores – em que pese uma trilha sonora excepcional, que alinhava tensão e catarse sem subir o tom desse intuito, além da fotografia soturna e misteriosa – resulta num dos melhores filmes de Fincher, onde ele pode exercitar toda sua objetividade na função de expor o circo (midiático e íntimo) de sua trama, para assim revelar o que tem por trás desse empilhamento de máscaras.
FESTIVAL DO RIO Garota Exemplar e a obscuridade de nossas próprias máscaras2
Talvez quem leu o livro perca um pouco do impacto do desenrolar de tudo, mas ainda assim, quando chega no fim, a perturbação resultante da frustração de uma projeção – do outro e até de si mesmo perante esse outro, é o gosto amargo que o filme deixa. Nada pode ser mais obscuro que nossas próprias máscaras, e esse excelente filme vai fundo nessa intensidade, mesmo quando nossas máscaras caem em nosso colo. Um dos melhores filmes de 2014!!!

Deixe sua opinião

Publicado por Renan de Andrade

Deixa você conhecer: A reviravolta do Sepultura

Por que as mulheres são as pioneiras da Música Eletrônica?