Google vende bola de cristal para a indústria do cinema

Ambrosia Filmes Google vende bola de cristal para a indústria do cinema

O Google divulgou hoje que agora pode identificar quais filmes farão sucesso e quais deverão cair no esquecimento! Segundo o estudo “Quantificando a mágica do cinema com a busca do Google”, a empresa afirma poder construir padrões de sucesso com base no fato da maioria das pessoas que vão aos cinemas buscarem informações pela internet (onde internet = Google).

Com isso, o Google acredita possuir a conexão entre os dados que coleta virtualmente de determinado filme e seu sucesso nas bilheterias, o que resulta em pequenas regras de como um filme será recebido pelo público. O gráfico abaixo ilustra bem o que buscador revelou.

quantificando-a-magia-do-cinema-com-a-busca-do-google

Basicamente o recado do Google é “eu tenho a clientela e posso oferecer conteúdo para quem quiser comprar”, através de seu sistema publicitário Adsense, a principal fonte de renda da gigante digital. Um prato suculento para a indústria do cinema, e esta é somente a ponta do iceberg, pois aliando a informação a todos outros tipos de dados que o Google coleta de seus usuários seria possível criar sucessos garantidos.

A situação é ainda mais perigosa quando lembramos que estas ferramentas podem ser utilizadas para qualquer produto, levando a empresa arremessar bens de consumo às pessoa, ou indo além, controlando a informação que recebemos através de seu buscador e seus serviços. A título de curiosidade, ou de malícia, recentemente o Google cancelou seu leitor de feeds Google Reader, e nesta semana em entrevista para a Wired a empresa explicou que sua missão é levar a informação para as pessoas sem que elas precisem buscar, como é o caso do Google Now.

google-now-a-informacao-que-voce-precisa

 

Um pouco disso me lembra bastante o Ministério da Verdade presente trabalho mágico de George Orwell, que levava sua mensagem bem a sério e tentou alertar as futuras gerações a respeito. Não que seja eu queira declarar caça às bruxas ao Google, mas a empresa sempre sustentou a frase “don’t be evil” como seu principal slogan, já sabendo o risco que ela própria possui.

Ainda assim quem produz e busca conteúdo são as pessoas, e nossas conquistas e tragédias irão continuar constituindo nosso legado.

#Novidades