em

Mostra Geração – Festival do Rio 2013

Uma das Mostras presentes no variado leque de opções do Festival do Rio é a Mostra Geração, composta por 8 longas internacionais, precedidos por curtas brasileiros, cujo tema central gira em torno da criança e do adolescente.

Voltado para o público infanto-juvenil e contando com a presença de várias escolas, a programação, porém, não se restringe a essa ou aquela faixa etária, podendo ser apreciada por qualquer idade.

FR l Cover foto l Mostra Gerac¦ºa¦âo

Este ano, a Mostra exibe os seguintes títulos:

“Inocentes” – Um filme da Indonésia sobre duas crianças que se encontram e tornam-se cúmplices na busca de algo a mais além da bruta rotina da escola e da falta de atenção dos pais.

“Super Formiga” – A típica fórmula do super-herói que se transforma devido à picada de um inseto, agora contada do ponto de vista de uma criança de 11 anos. Além do humor e do caráter filme de ação como atrativos, o filme é uma produção dinamarquesa, saindo do eixo óbvio de filmes de herói americano.

“A Pérola” – A pérola conta a história de uma família no Irã que depende dos esforços do patriarca de trazer dinheiro para casa através da perigosa prática de mergulho sem aparelhos respiratórios para catar conchas com pérolas. Esse tipo de “pesca” é comum neste lugar e o filme conta com imagens documentais. Há ainda, paralelamente na narrativa, um mito em torno de uma tartaruga da sorte, que esbarra nas necessidades práticas da família depois que o pai adoece e deixa a cidade para tratar seu pulmão prejudicado em um hospital mais especializado.Um filme que fala de esperança e da perda de inocência.

“Tom, o garoto malandro” – Um dos filmes mais divertidos e certamente mais adoráveis do festival, Tom, o garoto malandro conta com um elenco quase todo composto por crianças de 5, 6 anos. A aventura começa quando um grupo de crianças que passeava pelo bosque com sua professora, se vê deixado sozinho depois que esta desmaia após comer uma frutinha vermelha. A partir daí, no corajoso desbravamento de estarem perdidos, conhecem Tom, um garoto que aboliu as regras sociais para viver no mato e que decide lhes ensinar seu modo de vida. Politicamente incorreto, o filme nos surpreende por suas escolhas, saindo da moral convencional e trazendo sérias reflexões em torno da ideia de ensino, da felicidade e da inteligência infantil.

“Pee Wee ou O Inverno que mudou minha vida” – O Filme é a típica história de um time de hockey no gelo que passa por muitas desavenças entre os jogadores, percalços, brigas e desunião até encontrar o equilíbrio e a harmonia e superar seus limites e expectativas.A narrativa destaca alguns dos membros da equipe: uma goleira determinada que mete medo nos meninos, um garoto pressionado pelo pai para ser o melhor, um novo integrante que acabou de se mudar depois de perder a mãe e que está no meio de um processo de reaproximação com o pai.

“A Fraternidade Negra” – Produção da Alemanha, esse filme, baseado no livro homônimo escrito por Lisa Tetzner narra a história, centralmente, de um menino que é vendido por seu pai em troca de condições médicas para tratar sua mulher, mãe do garoto, depois de sofrer um grave acidente. Esse garoto encontra outros vítimas do mesmo destino que seguem com seu algoz até Milão, onde serão novamente vendidos, para serem usados como limpadores de chaminé. Em meio aos maus tratos e às dificuldades respiratórias devido às condições precárias de trabalho, eles conseguem, mesmo assim, encontrar alegria, esperança e encantamento através da amizade, do amor e da união.

“Mãe, eu te amo” – Filme vencedor do equivalente à Mostra Geração do Festival de Berlim, fala sobre um menino com dificuldades de se comunicar com sua mãe e de encontrar um eixo e que acaba se metendo em uma situação roubo e de mentiras que se acumulam e se complicam.

aya-of-yop-city

“Aya” – Animação baseada na HQ “Aya de Yopougon” escrita por Marguerite Abouet, esta produção franco-senegalesa fala sobre o dia a dia de alguns habitantes da cidade de Yopougon. A história se concentra em Aya e seus amigos, e apesar de alguns acontecimentos inesperados ameaçarem prejudicar a alegria local, a solidariedade da comunidade e o otimismo reinam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Audaz

Publicado por Raquel Gandra

VerificadoEscritorVideocastCinéfiloRepórterFotógrafo

Festival do Rio 2013 – Só Deus Perdoa

Festival do Rio: “Gata Velha Ainda Mia” flerta com o Cinema, mas sua essência é Teatral