em

Provocativo, “Amor Sem Pecado” é sutil ao abordar um tema polêmico

Alguns assuntos, por mais que não sejam exatamente novidade ainda causam um certo estranhamento quando abordados. Mesmo em pleno século XXI o desconforto ainda existe e estudos que comprovam o mesmo. O mundo está mudando a passos gigantescos e é preciso acompanha-lo ou pelo menos resistir ao impulso de torcer o nariz para tudo. Será que aos olhos do mundo somos todos livres para amar ou só é conveniente quando é com o outro? E se fosse a sua mãe amando seu melhor amigo, você aceitaria? Pois é isso que a diretora Anna Fontaine apresenta em “Amor Sem Pecado”.
adore2

Lil (Naomi Watts) e Roz (Robin Wright) passaram a infância juntas correndo pelas belas praias da Austrália e desde então nunca mais se separaram. Ambas cresceram, se casaram e tiveram dois meninos, Ian (Xavier Samuel) e Tom (James Frecheville) que assim como elas tornaram-se unha e carne. O tempo passou, eles cresceram e em pleno verão australiano enquanto as duas tomam banho de Sol, seus filhos se esbaldam nas ondas. Lil não acredita que as duas possam ter feito filhos tão lindos, verdadeiros deuses gregos. O Verão se arrasta lentamente e eles fazem questão de aproveitar cada dia, indo a praia, almoçando juntos, rindo e relembrando os bons tempos.adore5 Ian passa a maior parte dos dias na casa de Roz junto com Tom onde tem até seu próprio quarto. Uma noite ele ouve Roz ir até a cozinha e vai até ela, onde trocam poucas palavras e ele a beija. Roz se assusta, mas retribui o beijo e os dois se encaminham para o quarto. Está quase amanhecendo quando Tom vai até a cozinha se refrescar e flagra sua mãe, com as calças na mão (literalmente!) saindo do quarto de Ian. Ele soma dois mais dois e num rompante vai até a casa de Lil onde os dois conversam um pouco e ele lhe rouba um beijo. Ela se assusta, diz que aquilo é absurdo pois ela é a melhor amiga de sua mãe e ele então conta tudo o que viu e deduziu. Ela reluta por um tempo, mas acaba confrontando Roz sobre o ocorrido. As duas resolvem reunir os quatro e conversar abertamente, mas os meninos, meio chateados um com o outro não estão encarando a situação muito bem. Elas então decidem que vão manter o relacionamento cruzado pois acreditam ser algo passageiro, uma aventura para os meninos e pelo tempo que eles quiserem, elas serão coniventes e manterão o segredo. Mas por quanto tempo isso irá durar de verdade? Será tão simples assim encerrar com tudo?
adore3

Baseado no livro de Doris Lessing chamado “The Grandmothers” (As Avós), Fontaine transita por esse assunto polêmico de uma maneira tão suave e leviana que nos faz analisar cada detalhe. Por mais chocante que possa ser, a forma que ela decidiu retratar as relações entre os quatro personagens consegue ser sutil e intensa ao mesmo tempo, pois acompanhamos a luta dessas duas mulheres, enfrentando a famosa crise da meia-idade e tendo como escape esses dois jovens, lindos, que as amam e desejam mais do que qualquer outra mulher de vinte anos. O que as fortalece e faz com que a amizade, agora selada com um segredo, fique ainda mais forte. Obviamente, isso não seria possível sem a excelente atuação de Watts e Wright e a química que existe entre as duas fazendo-nos acreditar nessa cumplicidade. Já os personagens de Samuel e Frecheville mesmo sofrendo de um forte complexo de édipo, um pela mãe do outro, conseguem desenvolver medianamente seus papéis dentro do  necessário.
adore-image09 A escolha de um local paradisíaco e completamente afastado é a chave que a trama necessita para fluir, parecendo para nós mortais, que tudo aquilo ali é uma outra realidade, bem diferente e longe da nossa. Talvez isso se deva ao fato do teor do assunto tratado, pois Fontaine deseja que seja algo discutido, questionado, mas não tão inflamado a ponto de que as pessoas não queiram ver seu filme. E nos faz mesmo questionar o tempo inteiro, o que achamos, sentimos, queremos…ponto para ela.
Afinal, para nós brasileiros que temos exemplos como Elza Soares e Susana Vieira que desfilam por aí com namorados bem mais jovens não chega a ser um disparate. Agora quando se trata da nossa mãe é um assunto mais delicado a ser discutido.

A estreia marcada para os cinemas em 01º de Novembro não aconteceu, mas é possível adquirir uma cópia do filme pelo iTunes.

Deixe sua opinião

Avatar

Publicação Melissa Andrade