em

Realizadores e produtores de cinema debatem mercado audiovisual internacional no FICA 2017

Realizadores e produtores de cinema participaram de um debate na última quinta-feira (22) sobre a internacionalização da produção audiovisual no País. O evento faz parte da programação do 19º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), realizado até o próximo domingo (25), na Cidade de Goiás (GO). A mesa contou com a participação de Carla Esmeralda, curadora do Rio Content Market; Angelisa Stein, realizadora e advogada com larga experiência em acordos de produção audiovisual entre diferentes países; e Andrea Coberlla, diretor de uma empresa americana de desenvolvimento Entertainment 360.

Segundo Carla, há um “ensimesmamento” da produção audiovisual brasileira decorrente da falta de conexão com outros mercados. Para ela, é necessário atravessar pontes para a construção de co-produções, principalmente com mercados fora do País – grandes consumidores de conteúdo. Além disso, para alçar voos em outros mercados, a curadora do Rio Content Market explicou que produtores devem estar atentos a dois aspectos primordiais no audiovisual: conteúdo e narrativa. “É preciso ter clareza sobre o que se quer dizer e como se quer dizer. Mas não apenas para o público; também para compradores”, afirmou. Carla também citou exemplos de produtos que foram criados no Brasil e projetaram a produção audiovisual local. “Um marco no mercado é o sucesso da primeira série brasileira do Netflix “3%”. Fez sucesso nos EUA, na Coreia, em vários países como uma série brasileira vista pelo mundo”, lembrou.

Ainda a respeito da internacionalização das obras, os realizadores Angelisa Stein e Andrea Coberlla ressaltaram a importância de roteiros que tenham uma linguagem com apelo a diferentes públicos. Atuando como “script-doctoring”, ou um “especialista em melhoramento de roteiros”, Andrea Corbella destacou que o produto final de qualquer obra que queira alcançar mercados estrangeiros deve estar preocupada com uma narrativa global. Angelisa corroborou a tese e complementou: é preciso ir além das fronteiras para se entender o que são essas narrativas globais e um dos caminhos que pode ser seguido por produções independentes é focando em parcerias com produtoras de países que tenham mecanismos de fomento. Em relação à América Latina, nos sempre demos as costas, mas agora isso está mudando”, complementou.

FICA Film Market

A mesa redonda faz parte de um movimento iniciado ano passado, o FICA Film Market, promovido pela Associação das Produtoras Independentes de Cinema e TV de Goiás (GoFilmes). De acordo com a realizadora Kelly Alves, o objetivo da ação é fomentar o desenvolvimento das produções audiovisuais para as diversas plataformas existentes, principalmente colocando em contado produtoras do Estado de Goiás e players nacionais e internacionais. “A essência de uma co-produção advém da capacidade associativa dos produtores. Por isso, é fundamental que os realizadores goianos projetem suas obras para fora do Estado e alcem voos mais altos”, afirmou.

Deixe sua opinião

Publicado por George Patiño

U2 ganha terceira data em São Paulo

“O Muro”, usa da ingenuidade de uma criança para narrar uma fábula política e ideológica