em

Red Dead Redemption

O vento levanta a poeira do deserto. Ao longe, um bando de coiotes ataca mais uma incauta vítima. O trem chega na cidade de Armadillo, e dele vemos descer John Marston, em sua cruzada pela redenção dos crimes do passado. Marston tem a obrigação de capturar, vivo ou morto, seu antigo parceiro de bando, Bill Williamson, mas nada vai ser fácil nesta jornada.

Red Dead Redemption | Games | Revista Ambrosia

Pisando no velho oeste, percebe-se desde o começo que a ambientação foi um dos principais fatores de preocupação da equipe da Rockstar (de GTA IV). O velho oeste é retratado como um local sujo, desumano e repleto de malfeitores, com poucas pessoas de bem que se vêem nas mãos da maioria.

John Marston, seu personagem, é o enviado pelo governo para prender seu antigo parceiro Bill Williamson, mas acaba sendo baleado e salvo pela bela Bonnie McFarlane, que vai ser sua guia inicial no jogo, com aquelas fases básicas do tutorial. Não que fosse necessário, já que a jogabilidade é bem simples e dinâmica, com uma movimentação melhor que a dos GTA, e ainda com a adição do sistema chamado “Dead Eye”.

O “Dead Eye” é basicamente a mesma coisa que o sistema V.A.T.S. de Fallout 3. O personagem entra em um modo de câmera lenta e pode-se mirar em partes específicas do corpo do adversário. Normalmente é utilizado para duelos, mas a qualquer momento ele pode ser empregado, seja para meter um balaço na cabeça do adversário ou para atirar em sua mão e o desarmar.

Graças a estas decisões, temos um sistema de honra e fama onde cada ato irá lhe render mais prestígio. Porém, pode ser tanto negativo quanto positivo. Pender para cada um dos lados vai implicar na sua reputação, e quem vive de modo oposto pode vir a não gostar de você ou até mesmo colocar um prêmio pela sua cabeça.

Red Dead Redemption | Games | Revista Ambrosia

Nas lutas não há um marcador de vida. Em troca, cada vez que se é ferido, a tela vai ganhando manchas de sangue e ficando turva, nos moldes de “Gears of War” e outros jogos. Parar por um tempo permite a recuperação dos ferimentos, mas nem sempre isso é possível, o que implica no uso de remédios e outros itens para prolongar a sua vida.

O mundo é vasto e cheio de “espaços vazios”. As aspas são propositais, pois nunca encontramos uma área totalmente vazia. Vão desde animais selvagens até pessoas em apuros ou missões secundárias. A escolha em ajudar é só sua. Não ajudar não sugere obrigatoriamente ponto negativo na sua honra, mas isso normalmente ocorre caso você se dê ao luxo de insinuar que vai fazer o que as pessoas pedem e depois as abandonar.

Tirando as missões principais e secundárias encontradas pelo mundo todo, ainda existem jogos de azar nos diversos saloons: Poker, 21 (Blackjack) e duvido (é o nome do jogo de dados “Liars”, em português). Ainda temos o jogo de arremessar a ferradura na fazenda dos McFarlanes, um trabalho de domar potros selvagens e as caçadas a bandidos procurados que podem render um dinheiro bom caso este seja capturado vivo (para isso você irá precisar do laço).

Percebe-se que as possibilidades são imensas, e os jogos de azar por si só já são deliciosos em razão da inteligência artificial permitir que se roube nos jogos, ou até mesmo que você adentre algumas horas em uma mesma partida de poker.

A caracterização do velho oeste tradicional ficou muito boa e em diversos momentos dá para se sentir imerso em um mundo criado por Sergio Leone ou Clint Eastwood em seu “Os Imperdoáveis”. A trilha sonora é uma das melhores e mais bem utilizadas em um jogo com esta temática. As já famosas músicas assoviadas, gaitas, banjos, o piano dos saloons, tudo diz apenas uma coisa: bem vindo ao velho oeste, você irá tomar um tiro antes do fim do dia.

A Rockstar lançou uma série de videos explicativos e com cenas do jogo. Vale a pena assistir começando pelo que está abaixo:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=iUQJm7U18Co[/youtube]

Há um modo multiplayer cooperativo que vai ser lançado com download gratuito no mês de junho, mas os outros modos já estão disponíveis e são diversão certa para quem é fã de tiros sem muita explicação. Claro que há modalidades distintas, mas, convenhamos, tudo se resume a sair vivo enquanto os outros morrem.

Por fim, é de se considerar que o jogo não é perfeito e tem alguns erros muito raros que acabam por obrigar a reiniciá-lo, mas a Rockstar prometeu na atualização do modo cooperativo acabar com estes erros reportados por diversos usuários, os quais eu tive a sorte de não encontrar.

Tirando esse detalhe, este é mais um jogo para se unir àqueles obrigatórios a qualquer jogador de videogames que goste de diversão, ação e horas e horas de jogatina interminável.

J.R. Dib

5 opinaram!

Deixe sua opinião!
    • Hehehe, melhor não esperar, a Rockstar já anunciou que não vai ter versão PC pro jogo. Melhor ir comprar logo um PS3 ou XBox 360 pra começar a matar bandoleiros.

      Faltou falar do Five Finger Fillet, que também é um jogo disponível nas cidades e dos challenges que são variados e ocupam um bom tempo pra subir até o décimo nível, fazendo com que a campanha single player demore bem mais tempo.

Deixe sua opinião

Guizado lança “Calavera” pela Trama Virtual

Clint Eastwood: 80 anos