A história de uma mulher e de uma cidade que foram violentadas

Estamos em 2014. Euforia no Brasil e especialmente no Rio de Janeiro. Copa do Mundo prestes a acontecer, Olimpíadas de 2016 à vista. Sensação de que o país havia encontrado um novo caminho. Júlia é sócia de um escritório de arquitetura que está planejando alguns projetos na futura Vila Olímpica. No dia de uma dessas reuniões com a prefeitura, Júlia sai para correr no Alto da Boa Vista, um enclave de Mata Atlântica no meio da grande cidade.

A certa altura, alguém encosta um revólver na sua cabeça e a leva para dentro da mata, onde é estuprada. Deixada largada no meio da floresta, ela se arrasta para casa, onde uma amiga lhe presta os primeiros socorros. O rosário de dor, sensação de imundície e “culpa” é descrito com crueza e qualidade literária por Tatiana Salem Levy na obra Vista chinesa.

Lançamento da editora Todavia, mas o livro não é só horror e escuridão. A história é narrada para os filhos da protagonista anos depois do terrível episódio. Os fatos retrocedem e avançam no tempo. Temos o início de namoro de Júlia, sua lua de mel numa praia paradisíaca, a gestação. São momentos em que habilmente a autora constrói outra visão do corpo e da sexualidade de Júlia como uma prova, para quem cometeu a violência e para si mesma, de que ela é ainda a dona da própria história.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ant.
Panini e DC anunciam Batman: O Impostor

Panini e DC anunciam Batman: O Impostor

Em outubro, os fãs do Batman terão uma visão nova e diferente do guardião de

Próxima
Space Jam: Um Novo Legado aposta na nostalgia e fica refém da mesmice

Space Jam: Um Novo Legado aposta na nostalgia e fica refém da mesmice

Podem reclamar o quanto quiserem os defensores ferrenhos da inovação

Você pode gostar