em

“Esperança” encerra a sofrível jornada de Katniss Everdeen

Após a leitura de “Jogos Vorazes” que não me agradou, protelei bastante para continuar com a trilogia. Por pura curiosidade e com a iminência do segundo filme, decidi seguir em frente e li “Em Chamas” que acabou me surpreendendo e como termina cheio de suspense, impossível deixar de ler “Esperança” (Editora Rocco – 424 páginas) e descobrir como terminaria tudo.

*Spoilers a frente. Siga por sua conta e risco*

capaoficialaesperança-677x1024Após explodir a arena, Katniss é resgatada mas ainda por conta da explosão não entende muito bem o que está acontecendo. Completamente sedada e desorientada exige saber o que está acontecendo e onde está. É quando lhe contam que a guerra estourou, seu distrito não existe mais, foi dizimado e Peeta sequestrado pelo Presidente Snow. Katniss entra em desespero e volta a ser sedada. Ao acordar se sentindo melhor dias depois, tem dificuldade em assimilar tudo a sua volta. Agora juntamente com os sobreviventes do seu distrito eles habitam o mítico Distrito 13, que sempre existiu, mas em acordo com a Capital decidiu permanecer incógnito. Não demora muito Katniss descobre o motivo pelo qual foi salva, pois precisa abraçar seu papel, o de Mockingjay, aquela que traz esperança a todos os distritos, a que começou a revolução. A princípio ela é totalmente contra isso, pois não quer se envolver, mas percebe que não poderá fugir por muito tempo. Ao exigir que Coin, a líder do distrito, lhe forneça alguns privilégios, ela aceita interpretar esse papel perante as câmeras e o mundo, seguindo as ordens e desejos de Plutchard e Coin. Pouco a pouco, Katniss vai descobrindo as reais intenções de Coin e que as histórias que a cercam são muito mais profundas do que aparentam. Ela precisará enfrentar a todos, seus próprios medos e tentar retomar tudo ao jeito que era. Uma tarefa impossível, mas que ela precisa tentar. Principalmente resgatar Peeta e deixá-lo em segurança, como Haymitch e ela haviam prometido. Mas, os obstáculos são muito maiores do que ela pode imaginar.

Difícil definir em poucas palavras este livro. Principalmente porque não gostei da forma como a autora decidiu encerrar a trama. Dito isso, vamos em frente.

Suzanne Collins leva seus personagens a extremos a ponto de quebrá-los. E isso acontece com todos eles neste livro, sem exceção, a começar com a principal, Katniss que após passar uma segunda vez pela arena, explodi-la e perder Peeta, passa a sofrer de TEPT ou Transtorno de Estresse Prós Traumático, o mesmo sofrido por soldados que voltam de guerras. Sua ações se tornam ainda mais impulsivas, ingênuas e ela tem dificuldade em entender novos acontecimentos e reviravoltas, saindo completamente de controle o que acaba piorando a sua vida e a de todos a sua volta que passam a não saber mais como reagir. Desde o início, Katniss não passou de uma peça em um evento muito maior. Ela ilusoriamente acha que tem alguma importância, quando de fato é apenas um peão, um joguete. A cada capítulo desvendamos os mistérios envolvendo a revolução que levou a divisão dos distritos e outros acontecimentos. Esqueça Katniss, Peeta, Gale, pois o personagem principal aqui se tornou a guerra dos distritos contra a Capital. É dentro dessa guerra que aprendemos qual a verdadeira natureza dos envolvidos e como eles influenciam os que estão a sua volta, para o bem ou para o mau.

Collins se aprofunda bastante ao descrever o comportamento humano diante de uma situação tão caótica, e é tão verossímil que nos faz cortar relações rapidamente com alguns personagens para não sofrermos depois, levando o leitor a questionar algumas mortes e desfechos.
Talvez por isso exista uma empatia tão grande com a personagem principal, pois ela é acima de tudo humana, com defeitos e propensa a cometer erros como qualquer outro. Justamente o maior motivo que fez com que não conseguisse gostar da trilogia. Não senti qualquer ligação com Katniss, torcendo até para que ela se desse mal em alguns momentos.

O que ainda assim, não tira os méritos da obra. Collins soube conquistar seu público que torceu até o final pelo casal Peeta (o melhor personagem) e Katniss. E se quer saber, eles ficam juntos no final de uma maneira pouco convencional e nada normal. Mas, se tratando de uma distopia, tudo é possível.

15 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. Esqueceram de citar a terrivel morte da Prim, que foi por quem tudo começou, já que a Katniss só entrou no jogo para salvá-la. Todos seus esforços não vão adiantar. O último livro é muito triste, cheio de mortes e o final da Katniss é muito angustiante. E mais triste que passar anos sozinha é o Peeta estar com ela e não se lembrar do que viveram.

  2. KATNISS e uma garota cheia de surpresas ala é fantastica, desde sempre este livro chamol minha atenção era segunda estava na biblioteca quando o vi achei d+ a capa me chamou atenção fui correndo pega-lo minhas amigas também pegaram ,no dia da devolção ela me disseram que acharam ele chato ,paia,idiota que nada muuuuuuito legal parabens Suzanne Collins!!!

Participe com sua opinião!

Ativista

Publicado por Melissa Andrade

ColecionadorNarutoRepórterFanáticos por SériesSuper-fãsFotógrafo

“Mato sem Cachorro” diverte desviando dos vícios tupiniquins do humor de esquetes

George A. Romero na NY Comic Con