- 335 por Rodrigo de Freitas   tero Produ    es 6 - Banda 335 recria single de estreia, “Alice”, em vídeo acústico
em

Banda 335 recria single de estreia, “Alice”, em vídeo acústico

Primeira canção da discografia da banda ganha novos contornos

Após chamar atenção com referências do rock alternativo com tons da psicodelia brasileira no EP “O Meu Sonho Eu Não Controlo”, a banda 335 reimagina a intensidade de suas canções em formato acústico. A faixa-título do trabalho foi a primeira de dois singles que o grupo disponibiliza nos serviços de streaming, reimaginadas em performances cruas. Agora, uma versão mais intimista para o single “Alice” completa esse ciclo e chega como vídeo e nas plataformas de música digital.

Ao desconstruir suas canções para uma nova proposta, a 335 cria uma ponte entre a trajetória pregressa da banda e os passos futuros. “Esse projeto acústico busca marcar bem um limiar entre tudo que foi gravado até então e o que está por vir. Como não é novidade pra ninguém, a 335 tem essa marca de trazer músicas inesperadas, flertando com diversas influências e mudanças bruscas em relação a projetos anteriores. Os acústicos se diferenciam das anteriores para abrir caminhos para coisas ainda mais imprevisíveis que estão por vir”, adianta o vocalista Lucas Rangel.

Enquanto retornava a “Alice”, primeiro single oficial da 335, o grupo também caminhava na direção de gravar os lançamentos sucessores do EP “O Meu Sonho Eu Não Controlo”. Se na versão original as guitarras entregam influências de rock alternativo noventista – não por acaso, o nome e a letra homenageiam uma de suas grandes inspirações, Alice in Chains -, agora a faixa ganha contornos de rock acústico nos arranjos de cordas.

Ainda para 2019, a 335 programa outros lançamentos. Além das versões acústicas de “Meu Sonho Eu Não Controlo” e “Alice”, esse momento de transição para a banda será brindado com um single inédito em outubro, de volta ao seu elemento mais rock n’ roll.

O nome 335 vem do número da casa dos irmãos Lucas, Daniel e Davi Vale. Foi lá que eles começaram a tocar e criaram um home studio. A ideia de iniciar uma banda surgiu da vontade de participar de um festival na escola onde estudavam. Na época, sem um vocalista, eles incentivaram o amigo de infância Lucas Rangel a cantar no grupo. E a jornada da banda foi muito além do evento para o qual foi criada, passando por casas, festivais e lonas culturais de Niterói e do Rio de Janeiro.

Com o amadurecimento e a experiência adquirida ao vivo, eles começaram a compor suas faixas autorais. Foi quando surgiu “Alice”. “Vendedor de Doce”, lançada em 2018, traz uma sonoridade muito mais pop e conta a história de um menino que saiu de casa aos 7 anos e foi seduzido por uma enigmática maleta de doce dourada. Ainda no ano passado, eles voltaram a trazer elementos agressivos do rock no single “Luisa”.

Esse caminho de experimentos ganhou corpo no EP “O Meu Sonho Eu Não Controlo”. Já para o acústico de “Alice”, a banda contou com mixagem e masterização de Davi Vale e João Gabriel, gravação no estúdio Hi Eight, filmagem e edição de Gabriel Manarte.

Assista:

 

Deixe sua opinião

Avatar Contributor

Publicado por Build Up Media