quinta-feira, 16 agosto, 2018

Lendo “Monstress: Despertar”, de Marjorie Liu e Sana Takeda

Não é todo ano que uma série vence cinco prêmios Eisner, num período que outras obras poderiam ter levado o prêmio de forma também merecida. Monstress conseguiu bater Black Hammer de Jeff Lemire, já premiado, a Hawkeye, uma das melhores séries da Marvel Comics, com o Gavião Arqueiro, a laureada The Wicked + The Divine, e a Giant days serie aclamada pela crítica, e não é só isso, há várias outras séries que poderiam entrar nesta categoria sem problemas.

Mas o resultado deste ano é merecedor, o trabalho por detrás de Monstress é importante em todos os aspectos, criação, desenho, narrativas, diálogos, performance e originalidade na hora de mesclar estilos. Uma HQ merece nossa atenção, não só por ser premiada, mas pelas razões que iremos apresentar nesta resenha.

A série Monstress foi publicada originalmente pela Image Comics em 2015, escrita por Marjorie Liu e ilustrado/co-escrita por Sana Takeda. As duas autoras não tinham uma longa carreira no meio, e Monstress era sua primeira chance de uma série própria dentro de suas carreiras. Takeda começou desenhando para a SEGA, e entrou para os quadrinhos por convite do atual editor chefe da MarvelC. B. Cebulski. E foi ali que conheceu Liu, na série X-23.

Por outro lado, Liu era uma escritora que entrou para trabalhar com os mutantes da Marvel, onde ofereceu ótimas histórias nas séries dos filhos do Wolverine, Daken e X-23 (o biológico e a adotiva). Podemos até entrelaçar semelhanças de Laura Kinney, com a protagonista de Monstress, Maika Halfwolf, entretanto a similitude fica só na maneira de afrontar os seus problemas.

Capa da edição brasileira, lançada pela Pixel.

A narrativa nos leva a um cenário imaginado mesclando o oriente com o ocidente tradicionais. Há uma estrutura interna de poder que lembra os reinos europeus, com uma centralidade nas cidades, mas com um halo cultural e um tratamento mágico que nos leva a pensar que estamos na China medieval. Os desenhos dos personagens menos humanos tomam como referência ao mangá, e arte de Takeda é sentida, pelos detalhes e pela capacidade de alternar paisagens naturais com cenários urbanos, calabouços e salões luxuosos, os seres desenvolvidos são totalmente distintos, com desenhos bonitos quando tem que ser e horríveis no momento certo.

As cidades seguem um tom Steampunk, como tambem Tecnofantasy que é visto nas capas e que, a priori, se destaca, entretanto avançando na leitura da HQ, podemos ver campos e partes rurais que também merece atenção, pela maneira que a artista usa as cores.

Não podemos deixar de lado a ação, temos um desenvolvimento de cenas, cujo movimento é uma das especialidade de Takeda, que distribui quadros e vinhetas de tal forma que quando olhamos uma página em geral não é necessário ler uma palavra para ter uma ideia do que está ocorrendo. E Liu desenvolve os diálogos, entre o passado do que ocorre e o pretérito do que ocorreu, um trabalho em dupla impressionante que se prescinde entre o texto e a arte.

A escravidão é um dos temas recorrentes em Monstress

A história de Liu e Takeda tem um plano de fundo reivindicativo, deixando bem claro desde as primeiras páginas ao trazer as práticas inumanas de um bando para com o outro, a intenção antirracista e antixenófoba. Monstress tem em si um ar igualitarista e a ambientação se situa anos depois de uma grande guerra entre duas raças, os humanos e os arcânicos, afastando-se dos clássicos modelos maniqueístas para colocar em um mundo pós-guerra onde mais se perde do que ganha.  O fim da guerra trouxe mais miséria do que fortuna para todos e os humanos se dedicam a capturar os arcânicos para infligir torturas e mutilações de terríveis maneiras e assim retirar a magia que perderam, mantendo presos em campos de concentração.

O mundo de Monstress é um mundo rico, que segue o que encontramos em Avatar: A Lenda de Aang ou em O Senhor dos Anéis, mas também bastante cruel, como em Game of Thrones. O personagem protagonista é Maika Halfwolf, uma arcânica com aspecto humano, mas sem um braço, cuja estética e personalidade lembram, como já citado, um pouco da X-23.. Uma personagem misteriosa, que guarda segredos obscuros, e que protegendo os seus, abusa da violência extrema.

Liu e Takeda bebem de fontes diversas e o resultado bastante bom e original, mas que tem ressalvas. As ideias são liberadas rapidamente, há muitos nomes, muitos eventos, muita informação, tão densos que pode oprimir um pouco o leitor. Monstress é uma HQ para quem tem um certo estado mental para enfrentá-la e uma segunda leitura lhe convém para aprofundar seus nuances, que com certeza não é um defeito, mas um ganho para nossa leitura. Uma série original, interessante, visualmente atrativa, tão digna dos Eisner como os demais nomeados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Cadorno Teles
Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

Publicações sugeridas

Adeus a Aretha Franklin – Astros da música homenageiam a diva soul

Faleceu nesta quinta-feira (16/08) a maior voz da soul music. Aretha Franklin se tornou ícone...

“O Protetor 2” só se torna relevante por causa de Denzel Washington

Em toda a sua carreira, Denzel Washington nunca fez uma sequência dos filmes que se...

Apocalipse zumbi e amizades virtuais em Last Shelter, o melhor game do gênero

Madrugada alta. Acordo com zumbis invadindo minha cidadela. Tropas deixadas fora recolhendo suprimentos, defesa fragilizada...

Ghostface Killah retorna com ‘Saigon Velour’ e anuncia ‘The Lost Tapes’

Depois de passar o último ano junto do Wu-Tang Clan com o disco 'The Saga...

Compartilhe

Anuncie sua marca no universo cultural
Anuncie sua marca no universo cultural

Novidades