em

Neil Gaiman seleciona as melhores HQs americanas recentes

Neste quinto volume da coletânea anual The Best American Comics, estão reunidas algumas das melhores HQs publicadas nos EUA – por autores norte-americanos ou residentes no país – entre setembro de 2008 e agosto de 2009. O editor responsável pela seleção final das histórias da antologia muda todo ano. Em edições passadas, o posto foi ocupado por personalidades do mundo dos quadrinhos alternativos como Harvey Pekar, Chris Ware e Charles Burns. O escolhido para a edição deste ano foi Neil Gaiman (autor de Sandman), muito mais mainstream que seus predecessores, o que gerou certo temor de que obras alternativas ficassem de fora.

A seleção de Gaiman realmente não surpreende pela ousadia, privilegiando narrativas mais longas e tradicionais, mas abrange grande variedade de estilos, e o resultado até que é bem interessante.

Entre as melhores HQs selecionadas, três alcançaram um grande público e já foram publicadas no Brasil: Genesis, de Robert CrumbAsterios Polyp, de David Mazzucchelli e Scott Pilgrim vs. The Universe, de Bryan Lee O´Malley. Nenhuma dessas poderia ficar de fora, mas chamam mais a atenção obras pouco conhecidas, como a sensacional Acme Novelty Library 19, de Chris Ware.

Cada página de Ware parece minuciosamente planejada, entrelaçando diversos tempos narrativos sem complicar a leitura. Perfeito desde os traços limpos e estilizados até a escolha das cores. Os personagens são tão bem construídos que é impossível não compartilhar seus sofrimentos. O trecho selecionado por Gaiman dá apenas uma idéia da complexidade narrativa da HQ.

Outras obras se destacam. The Lagoon, de Lilli Carré é uma história misteriosa e sobrenatural, com bela arte em preto e branco. Gilbert Hernandez, co-criador da cultuada revista Love and Rockets, ilustra um divertido e ligeiro roteiro de ficção científica escrito por seu irmão Mario. Fatos históricos são retratados nos quadrinhos de Michael Cho – a história da criação da primeira bomba atômica – e Josh Neufeld – os efeitos do furacão Katrina.

O único super-herói que aparece no livro é o obscuro Omega The Unknown, publicado pela Marvel por um breve período durante os anos 1970, e recentemente recriado pelo escritor Jonathan Lethem com a ajuda de vários artistas. A introdução da HQ ficou excelente nos traços primitivos de Gary Panter, veterano dos quadrinhos alternativos.

Devido ao limitado espaço disponível, a coletânea apresenta apenas trechos de no máximo 30 páginas das HQs escolhidas, funcionando como um guia para despertar o interesse do leitor. Embora tenham ficado de fora desta edição autores importantes como Kaz e Jaime Hernandez, The Best American Comics continua cumprindo o papel de apresentar um panorama da produção de quadrinhos norte-americanos contemporâneos.

Autores: Vários

Editor: Neil Gaiman

Ano de Edição: 2010

Editora: Houghton Mifflin Harcourt

352 páginas

2 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. O Neil Gaiman é meio otário, deveras arrogante, mas tudo isso por que ele pode ser. E não só por causa do Sandman ou Stardust, mas por suas reverências, citadas aí em cima.
    Caramba, eu adoro esse cara.
    Só não entendi por que não colocou Bone, já que uma vez fez até um prefácio para uma edição, a quarta, se não me engano, e disse que é uma história que "it started like Walt Kelly and ended like Tolkien".

  2. Eu discordo que o Neil Gaiman seja otário e arrogante, e discordo mais ainda que ele seja justificável alguém ser otário e arrogante só porque faz um bom trabalho… e Bones?

    Bones é legal, mas já acabou faz um tempo, só saem agora especiais com o personagem, que realmente não acho que merecem concorrer com o punhado de obras inéditas do Best American Comics.

Deixe sua opinião

Serial Readers: A dor de Cristina em Grey’s Anatomy

Grandes editoras de mangá japonesas lançando scans nos Estados Unidos?