em

Os 30 anos das Tartarugas Ninja, Parte 1: A origem nos Quadrinhos

Sim, um dos maiores fenômenos pop da virada dos anos 80 para os 90 está completando três décadas esse ano. Como jamais saíram de circulação, sempre há uma animação, videogame ou filme sendo lançado, temos a sensação de que estão sempre atuais, até nos esquecemos da idade da criação de Kevin Eastman e Peter Laird.
Tudo começou em Northampton, Massachussets, novembro de 1983. Sem grana no bolso, os dois cartunistas tentavam desenvolver ideias para personagens de histórias em quadrinhos quando Eastman, de brincadeira, desenhou uma tartaruga antropomórfica com um nunchaku e uma máscara cobrindo os olhos, intitulando o desenho de Tartaruga Ninja no topo da página. Laird caiu na gargalhada e começou a desenhar variações da ideia de Eastman, e aos poucos a refinando.
Logo, Eastman desenhou quatro tartarugas, cada uma empunhando uma arma ninja, e daí adicionou o Teenage Mutant ao Ninja Turtles. Estava decidido que essa seria sua criação para uma HQ, mas faltava dar nomes a cada personagem. A principio eles pensaram em batizá-los com nomes japoneses, mas sentiram que não funcionou. Então veio a ideia de dar nomes de artistas renascentistas, surgindo assim Leonardo (Da Vinci), Michelangelo, Raphael e Donatello. Laird diz que aquilo foi peculiar o suficiente para se encaixar no conceito.

Kevin Eastman e Peter Laird em uma pequena convenção de quadrinhos em Lauderdale Lakes, Flórida 1986
Kevin Eastman e Peter Laird em uma pequena convenção de quadrinhos em Lauderdale Lakes, Flórida 1986

No conceito das Tartarugas Ninja também havia referências ao universo Marvel, mais precisamente ao Demolidor. Por exemplo, o Mestre Splinter, sensei dos quelônios, é uma homenagem ao Mestre Stick, professor do herói da Marvel. O Foot Clan também é uma brincadeira com o clã ninja The Hand de Demolidor. A origem das tartarugas também é similar à do herói: Em Demolidor no. 1, Matt Murdock vê um caminhão correndo em direção a um homem velho, então Murdock empurra o homem para fora do caminho. À medida que o caminhão desvia, um barril voa para fora da parte de trás e cai sobre a cabeça de Murdock. O recipiente é cheio com uma substância radioativa, que cega Murdock, mas aumenta os níveis de outros sentidos a super-humanos. Mais tarde, ele usa seus sentidos aguçados para combater o crime como o Demolidor.
Para origem das Tartarugas, ocorre quase o mesmo, sendo que um recipiente quica na cabeça de um rapaz e bate em uma tigela de tartarugas recém-nascidas que estava nas mãos de um menino, que caem, junto com a lata, em um bueiro aberto. Splinter encontra as tartarugas que rastejam no fluido viscoso escorrendo para fora da vasilha quebrada, que é o agente mutagênico que transforma as tartarugas e Splinter em heróis de tamanho humano.
Em março de 1984, Eastman e Laird criaram a Mirage Comics, o nome que na verdade é uma ironia, pois o “estúdio” era a sala do apartamento de Laird. Eastman usou um reembolso ganho de 500 dólares, Laird esvaziou sua conta bancária de 200 dólares, e eles pegaram emprestado mais US$1.300 do tio de Eastman para imprimir 3.000 cópias de Teenage Mutant Ninja Turtles no. 1. Após gastar com impressão, eles tinham apenas dinheiro suficiente para colocar um anúncio na revista Comics Buyer’s Guide, uma publicação especializada.
3389731-2789799808-tmnt.A sorte estava mesmo ao lado deles. Apenas com esse anúncio, vários revendedores de quadrinhos começaram a telefonar para a Mirage e as 3 mil cópias venderam em apenas poucas semanas. Com o aumento da demanda, eles tiveram que dobrar a prensagem, que também se esgotou em pouco tempo. Em Maio já tinham dinheiro suficiente para pagar o tio de Eastman, e dividiram um lucro de 200 dólares.
Inicialmente Teenage Mutant Ninja Turtles seria uma única edição, uma história que se concluiria em si própria, mas como a dupla viu que tinha algo nas mãos, providenciou o no. 2 em janeiro de 85 com tiragem de 15.000 cópias, onde tiveram tanta procura que foram encomendadas 30.000 cópias do no. 1, sem contar, é claro, com uma segunda edição do número 2. Com isso, o no. 3 já saiu com uma tiragem de 50.000 cópias. O sucesso só aumentava. Novas edições chegavam às gibiterias até que o número 8, que tinha a participação do personagem Cerebus do cartunista Dave Sim, alcançou a marca de 130.000 cópias vendidas.
Eastman & Laird's Teenage Mutant Ninja Turtles (vol. 1) #8 - page 12A Mirage também publicou uma edição bimensal intitulada “Tales of the Teenage Mutant Ninja Turtles”, com arte de Ryan Brown e Jim Lawson, que foi feita para preencher as lacunas de continuidade no universo TMNT. Isso colocou a série original e Tales na mesma continuidade, e ambas são, portanto, cânone para o outro. O primeiro volume do título foi de 1987-1989, lançado em meses alternados com a HQ regular de Eastman e Laird. Todas as sete edições do Volume um foram coletadas em forma de brochura duas vezes, e as vinte e cinco edições de Volume dois foram compiladas em cinco números cada.
TalesOfTheTeenageMutantNinjaTurtles4SmlMas as Tartarugas Ninja originais não eram coisa para criança. Os quadrinhos feitos em preto e branco, com visual sombrio, os quelônios tinham expressões raivosas, dilaceravam os oponentes mandando-os ir para o inferno, e ainda contavam com a ajuda eventual de Casey Jones, um vigilante mascarado que usava um taco de beisebol e um de hóquei como armas sem a menor piedade.
eastman1Àquela altura, 1986, fabricantes de brinquedos já estavam de olho na criação de Eastman e Laird, mas aquela aura sombria e violenta não era vendável para crianças de 4 a 8 anos de idade. A Playmates Toys expressou interesse em trabalhar todo um merchandising, mas algumas concessões deveriam ser feitas. Como além de brinquedos, havia também o plano de transformá-los em desenho animado para a TV, alguns elementos engraçadinhos foram sendo incorporados. O humor negro característico das HQs originais foi ficando soft, as tartarugas passaram a ser loucas por pizza, ah, e claro, só matariam robôs, além disso o Destruidor virou um vilão meio bonachão e palavras como “damn” (maldição) dariam lugar a bordões como “Cowabunga!” e “Turtle Power!” que viraram o nosso “santa tartaruga!”
Uma mudança no visual também teve de ser feita, uma vez que os personagens seriam vistos em cores, e não em P&B. As edições em quadrinhos tinham apenas as capas coloridas, e as tartarugas tinham todas máscaras vermelhas. Para facilitar a identificação, cada um passou a ter uma máscara de cor diferente. Essa cor se repetia na faixa, e no pano amarrado nos cotovelos e joelhos. Leonardo ficou com o azul, Donatello com o roxo, Michelangelo usava laranja e Raphael, vermelho. E todos tinham um distintivo na faixa com a inicial do nome.
TMNT_Adventures_First_IssueComo donos da franquia, Eastman e Laird tinham a palavra final sobre mudanças em suas criações. No entanto, nenhum deles ficou entusiasmado com as concessões feitas.
Como Eastman disse em uma entrevista 1998 para o The Comics Journal, “A resolução no final do dia, mesmo quando Pete e eu concordamos que, bem, há algumas coisas que a gente realmente não gosta, e algumas coisas que nós desejamos não ter dito sim, coisas que eles queriam fazer … Mas nós dissemos … sempre teremos nossos quadrinhos em preto e branco para contar o tipo de histórias que queremos contar.”
A partir daí, As Tartarugas Ninja se tornaram onipresentes na cultura pop. Tinham uma série animada de grande sucesso na TV, ganharam um sem número de games, além das adaptações para o Cinema.
Na segunda parte do especial falaremos sobre as Tartarugas Ninja na TV.
 

alguém opinou!

Deixe sua opinião!

    Participe com sua opinião!