em ,

5ª Temporada de “True Blood” melhora, mas ainda continua a procura de fôlego

Mais uma temporada (quinta) de True Blood chega ao fim e o sentimento que fica, principalmente para aqueles que acompanham a série desde o princípio, é de indefinição quanto ao futuro da mesma. Há muito tempo que a série vampiresca da HBO deixou de ser ótima, para passar a ser apenas boazinha, e muitas vezes cretina. Claro que o que a salva é (ainda) seu auto-deboche, muito potencializado pelo próprio gênero que a alimenta (são fadas, lobos, metamorfos e afins) e pelos diálogos hilários. Porém a trama, principalmente na temporada anterior, anda cada vez menos inspirada e caindo em absurdos rasos que não dão em lugar nenhum.

season finale teve seus momentos divertidos e introduziu várias tramas promissoras para a sexta temporada. A transformação de Bill no messias dos vampiros é a principal e diria, mais entusiasmante delas. Abre bons precedentes para voltar aos tempos em que o roteiro estabelecia bem as sua bizarrices e suas tramas. Já Eric passou de vilão-mor para herói. Clichê, mas tá valendo. E, se disse que tivemos momentos divertidos nesse episódio final intitulado Save Yourself, a interação fraternal entre Eric e Nora foi a responsável por grande parte deles. As briguinhas típicas de irmãos ficaram engraçadas quando encenadas pelos dois, e até fizeram com que a minha simpatia pela Nora aumentasse. O relacionamento de Tara e Pam também merece destaque pela improbabilidade desse entrosamento de “núcleos”, mas que deu tão certo, de maneira geral.

A temporada mostrou fragilidade em histórias que não se desenvolveram a contento, como a do trauma de guerra de Terry ou mesmo o lenga-lenga do mundo das fadas. Mas é inegável que foi superior à quarta temporada até por apostar mais no nonsense da história em si, e não querer se levar a sério demais. Confesso que mesmo assistindo religiosamente a série, tenho a sensação de que a trama não faz jus ao DNA da HBO, podendo estar em qualquer outro canal americano. Só não sei se isso é necessariamente um problema ou apenas mais uma ironia (bem-vinda?) do próprio universo de True Blood. Na dúvida, espero pela sexta temporada em 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ativista

Publicado por Renan de Andrade

VerificadoEscritorPromotor(a)CinéfiloMusicólogoFanáticos por SériesSuper-fãs

“O legado Bourne” é a missão impossível de Jeremy Renner

“Corações Sujos” reduz muito a possibilidade de sua dimensão como documento histórico