Adaptações de games para o cinema são quase tão antigas quanto os filmes de super-heróis, datam dos anos 90. Porém, nunca conseguiram o mesmo prestígio, os resultados sempre deixam muito a desejar. Talvez o primeiro Mortal Kombat seja o que mais se aproxime do satisfatório. ‘Resident Evil‘ faz sucesso, mas se distancia tanto da matriz que talvez nem dê mais para ser considerado um jogo baseado em game. ‘Tomb Raider‘ teve um certo sucesso, muito pelo fato de ser estrelado por Angelina Jolie, mas as opiniões não chegam a ser unânimes com relação à qualidade. O gênero, na verdade, já começou mal com o péssimo ‘Super Mario Bros‘.

A verdade é que, ao contrário dos livros e dos quadrinhos, adaptar games é uma tarefa árdua, pois a matéria prima não parte de uma mídia passiva e sim interativa. Cá entre nós, tirar o joystick do jogador e obrigá-lo a acompanhar uma cut scene de uma hora e meia, duas é crueldade. E uma cut scene com história nada empolgante. Mas isso pode estar prestes a mudar.

Em uma entrevista para o blog oficial da Ubisoft, o presidente da empresa, Yves Guillemot, falou sobre a Ubisoft Motion Pictures, um setor específico para a criação de adaptações dos jogos para o cinema, dizendo que a pretensão dessa divisão será produzir filmes de qualidade. Guillemot diz que a melhor maneira de fazer isso é ter o controle de tudo o que é importante na produção.

“O roteiro, o elenco e a direção. Se você for capaz de controlar isso, eles estarão na mesma sincronia, então você poderá criar algo que irá corresponder todas as expectativas” diz Guillemot na entrevista. Ou seja, tudo indica que a Ubisoft se propõe a fazer pelos games o que a Marvel Studios fez pelos quadrinhos.

Claro que nesse caso, já haviam sido feitas adaptações bem sucedidas de HQs para as telonas bem antes da criação do estúdio. Mas a era Marvel Studios, comprada pela Disney, fez com que a febre dos filmes de super-herói se consolidasse com uma concatenação entre os filmes e também um bem realizado esquema de transmídia – englobando TV, games e até mesmo a plataforma matriz, os quadrinhos; escalação de elenco sempre acertada e, claro, uma eficiente estratégia de marketing, além de um pleno controle criativo sobre todo esse conteúdo produzido.

assassinO vindouro “Assassin’s Creed” poderá ser o Homem de Ferro da Ubisoft, e assim como o primeiro filme do estúdio da casa das idéias, o primeiro projeto da desenvolvedora de games no cinema contará com um nome consagrado encabeçando o elenco: Michael Fassbender. A empresa realmente deseja mudar a imagem negativa que os longas baseados em games ganharam ao longo desses anos. Não será uma tarefa. Inclusive, já tivemos jogos da Ubisoft nos cinemas, como o caso de Prince of Persia, que não chega a ser de todo ruim, mas longe de ser unânime entre os gamers, além do vexaminoso Far Cry.

Do outro lado, a Blizzard também vem com o ambicioso projeto de adaptar Warcraft para os cinemas, e informações privilegiadas partindo de quem está a par da produção garantem que será um filme interessante e o trailer na San Diego Comic Com deste ano chamou bastante atenção.

O que parece estar se desenhando no horizonte é uma nova era para os filmes de games. Até porque muitos execuitvos de estúdios já estão se precavendo contra um possível desgaste dos filmes de super-heróis. Quem sabe os games não poderiam ser a próxima coqueluche de Hollywood? E se isso de fato vingar, suplicamos por um filme decente de Super Mario. O encanador que completou 30 anos em 2015 merece.