em , ,

“Zootopia: Essa Cidade é o Bicho” acerta em cheio no conceito, mas vacila no desenvolvimento

Zootopia é uma cidade habitada por animais antropomórficos, todos mamíferos, em (quase) perfeita harmonia, do maior elefante ao menor roedor, com hábitos humanos, sem deixar de lado as peculiaridades de cada espécie. A partir desse argumento é desenvolvido “Zootopia: Essa Cidade é o Bicho” (“Zootopia”, EUA/2016), nova animação dos estúdios Disney. Acompanhamos a coelha Judy Hopps, que deixa a cidade do interior onde vive com os pais para se tornar uma policial em Zootopia. Por pertencer a uma espécie “fofinha” demais para a função – na policia de Zootopia os oficiais são todos predadores e animais de grande porte – ela é colocada no cargo de guarda municipal. Para provar que pode ser uma policial efetiva, Hopps assume por conta própria a investigação de um desaparecimento, que  mais tarde se descobre estar relacionado a uma conspiração, e para isso conta com a ajuda da raposa Nicki Wilde, um malandro que vive de pequenos trambiques.

O conceito de Zootopia é o grande trunfo do filme. Uma cidade com elementos de uma metrópole real, mas com motivações inspiradas na natureza em sua estrutura. Também é interessante a forma como foi colocada a dinâmica dos animais e as escalas da cidade adaptadas para cada espécie. A região habitada por roedores, por exemplo, tem proporções diminutas, a sorveteria dos elefantes é hilária, assim como a repartição pública onde todos os funcionários são bichos preguiça. Mas a graça fica mesmo por aí. Faltou um roteiro à altura do argumento, a exemplo de outra animação do estúdio, “Detona Ralph”.

zootopia4A impressão que fica é que todos os esforços se centraram no desenvolvimento do conceito enquanto o script acabou seguindo a receita de bolo de uma animação engraçadinha para agradar a garotada, com uma piadinha ou outra pensada para os adultos que levarão os rebentos ao cinema. Uma delas é o roedor mafioso inspirado em Marlon Brando no filme “O Poderoso Chefão”. Um outro mérito é a abordagem de temas como racismo, intolerância e estratificação social. Em Zootopia predadores e presas convivem pacificamente, mas os cargos mais altos são ocupados por animais no topo da cadeia alimentar. A animação dirigida por Byron Howard (de “Bolt: O Super Cão” e “Enrolados”) Richie Moore (de “Detona Ralph”) e Jared Bush oscila entre acertos e deslizes.

Irrepreensível na parte técnica, mantendo o padrão Disney de qualidade, e no mote, porém pouco criativa no desenrolar da trama, que pode inclusive ser um pouco complicada para crianças menores, mas não chega a ter acidez suficiente para ser direcionada preferencialmente ao público adulto. O final deixa em aberto a possibilidade de uma continuação, que dependerá do desempenho nas bilheterias. Para aqueles que dão preferência às cópias legendadas, a má notícia é que as opções são limitadíssimas, como tem sido com todas as animações recentes. Uma pena, pois, sem desmerecer o excelente trabalho dos dubladores brasileiros, no original tem Idris Elba, J.K. Simmons e Octavia Spencer fazendo bons trabalhos. E até Shakira

zootopia3Por fim, “Zootopia” não repete a magia de Frozen ou a sagacidade de Operação Big Hero, os dois últimos longas de animação do estúdio que tiveram, sobretudo o primeiro, grande êxito comercial, mas funciona bem como diversão despretensiosa se o espectador não fora ao cinema esperando muito mais do que isso.

Deixe uma resposta

Publicado por Cesar Monteiro

Cesar Monteiro

Um viciado em cultura pop que adora compartilhar seu vício com o maior número de pessoas possível

Iron Maiden lava a alma dos fãs no Rio de Janeiro

“Incêndios”, de Wajdi Mouawad, com Marieta Severo, tem reestreia emocionante no Theatro Net Rio