em

Movie Tunes: Take Me Home Tonight

Não adianta, nos dias atuais, com raríssimas excessões, o cinema não consegue achar uma trilha sonora pop que fique marcante por gerações a fio. Devido a isso, os cineastas tem cada dia mais focalizado os anos 80/90 e usado as músicas daqueles tempos para suas trilhas.

Take Me Home Tonight (ou seu nome em português “Uma Noite Mais Que Louca”) se passa nos anos 80 e tenta mimetizar todas as características daqueles filmes, seja as situações sem nexo que levam a festas absurdas com mulheres semi nuas e uso de drogas, a roubos de carro e eventos bizarros.

Antes de começar a falar da trilha em si, uma crítica a distribuidora nacional que viu a cara da Anna Farris no cartaz e já achou que seria mais uma comédia estúpida e já meteu um título imbecil terminando com “mais que louca” apenas para ver se os fãs de “Tá Todo Mundo em Pânico” iria assistir.

Voltando a trilha sonora, os anos 80 proporcionam um catálogo amplo de músicas ao mesmo tempo muito boas e muito ruins. Especialmente quando se trata de pegar os vídeos daquela época para postar aqui para vocês. Eu tentei achar vídeos com as músicas rolando no filme, mas aparentemente o youtube não gosta do filme e só me serviu o trailer e as músicas com a capa do filme.

Então, aguentem o vídeo bizarro de “Video Killed The Radio Star” do Buggles, começando esse Movie Tunes.

[youtube]http://youtu.be/Iwuy4hHO3YQ[/youtube]

Seguindo as fórmulas padrões dos anos 80 que John Hughes inventou, reinventou e aprimorou durante sua carreira, somos apresentados a Matt (Topher Grace). Segundo consta, gênio financeiro formado no MIT que abandona sua carreira para trabalhar em uma locadora. Junta-se a ele sua irmã gêmea Wendy (Anna Faris) e Barry (Dan Fogler) para ir a festa de Kyle (Chris Pratt), namorado de Wendy, onde então Matt pretende encontrar Tori (Teresa Palmer), seu amor de colegial que não deu certo, e fazer as coisas mudarem.

Mas para isso acontecer, vai rolar muita confusão (propaganda da sessão da tarde, só os velhos entenderão). Para acompanhar as coisas que rolam durante o filme, a trilha é basicamente uma coletânea dos anos 80. Eu selecionei a próxima banda da trilha mais por causa de sua história do que pela música em si que não é a mais famosa deles.

O Yaz ou Yazoo na Europa foi um duo formado pelo primeiro tecladista do Depeche Mode, Vince Clarke e pela então desconhecida Alyson Moyet, reconhecidamente uma das melhores cantoras dos anos 80. A banda não durou muito logo após o primeiro disco, se separando. Ele formou em seguida o Erasure e ela seguiu carreira solo, mas a marca já havia sido feita no mundo pop.

[youtube]http://youtu.be/_D3udbawA1Q[/youtube]

Consta ainda na trilha, bandas clássicas como Duran Duran, INXS, Yo La Tengo, Kim Carnes, Men Without Hats, Grace Jones e diversas outras não tão famosas, mas com músicas famosas também.

O trailer do filme começa com “Relax” de Frankie Goes do Hollywood e termina com “Take Me Home Tonight” de Eddie Money, que estranhamente não constam na trilha oficial do filme, apesar de serem muito boas.

Para os fãs das comédias com leves tons de drama e absurdos que só os anos 80 proporcionavam, esse filme é altamente indicado. Há ainda uma homenagem a época na forma da atuação de Michael Biehn (Aliens, Exterminador do Futuro) como pai de Matt.

Para finalizar, a música que tem o refrão mais sem nexo dos anos 80: Wang Chung com “Everybody Have Fun Tonight”.

[youtube]http://youtu.be/BoXu6QmxpJE[/youtube]

Eles criaram o verbo Wang Chungar. E ainda assim a música é divertidinha e o clipe, seguindo a regra, é sem nexo.

Fica então a dica do filme e de sua trilha sonora que eu simplesmente não dava nada e me agradou bastante no final das contas. Os anos 80 sempre renderam boas músicas e boas histórias e pode-se dizer que essa homenagem feita em 2011 foi o mais próximo que se pode pensar em fazer hoje em dia em relação aqueles bons tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comente pelo Facebook

Publicado por J.R. Dib

A cultura, o cinema, a arte, a justiça e a literatura unidas em prol de uma melhor sociedade. Advogar, viver e difundir cultura e aprender a cada dia mais, buscando novos desafios e descobrindo a beleza e a doçura de cada objetivo como Advogado, Editor e Colunista.