em

Com muitos tiros e explosões,”Invasão à Casa Branca” entretém, sem fazer pensar muito

Tem dias que tudo o que queremos é assistir a um filme que nos divirta sem nos fazer pensar muito. Pode-se dizer que para isso tenhamos que recorrer a filmes de ação, repleto de explosões, tiros, violência gratuita e um plot secundário. Se for isso o planejado, “Invasão à Casa Branca” passa a ser uma excelente escolha.

Mike Banning (Gerard Butler) é um agente do Serviço Secreto à frente da segurança de Ben Asher (Aaron Eckhart), o Presidente dos Estados Unidos e sua família. Numa noite de Natal, ele tem que escoltá-los para uma festa debaixo de uma forte nevasca. Por conta do mau tempo, o carro em que o Presidente e esposa estavam, sofre um acidente e derrapa na pista cheia de neve, indo parar no meio de uma ponte. O carro está entre a ponte e o lago congelado lá embaixo, e a esposa do Presidente está inconsciente. O tempo está correndo e Banning só consegue retirar o Presidente do carro, antes que ele caia no lago. A Primeira-dama (Ashley Judd), assim como outro agente, acabam morrendo.
invasao-casa-branca-olympus-filme Meses depois, Banning foi designado a fazer trabalho burocrático. Na Casa Branca, o Presidente está se reunindo com o Primeiro Ministro da Coréia do Sul, quando um ataque acontece do lado de fora. Rapidamente, os agentes levam o Presidente, assim como a comitiva do Primeiro Ministro para o bunker de segurança no inferior da Casa Branca, contrariando alguns protocolos. Chegando lá, alguns homens da comitiva se revelam os verdadeiros responsáveis pelos ataques e tomam o Presidente como refém.
Do lado de fora, o caos se instaura. Aviões invadem o espaço áereo americano, alvejando qualquer transeunte próximo a Casa Branca, fazendo assim incontáveis mortos. Próximo dali, em sua mesa, Banning assiste àquilo tudo e decide agir. Pensando em se redimir, ele vai enfrentar qualquer mini exército para salvar o Presidente e seu país.
invasao5

Mais uma vez, a Casa Branca é o lugar menos seguro do planeta. Antoine Fuqua nos apresenta um verdadeiro filme de ação que diverte. O roteiro é simples, usando de estratagemas políticos entre Coréia e Estados Unidos, para justificar todas as pirotecnias utilizadas. O que claro, só deixa a trama em segundo plano, mas no final, nem importa tanto. Gerard Butler faz as vezes de pistoleiro solitário, se empenhando ao máximo, mas ainda lhe falta um pouco de carisma. Outros já ocuparam esse posto antes como, Stallone, Banderas e Bruce Willis e ele não consegue ficar à altura de nenhum. O elenco ainda conta com Ashley Judd, Melissa Leo, Angela Basset e Morgan Freeman, todos com papéis de menos destaque que Butler. A não ser Freeman, que é um ator excelente e consegue se destacar.
OHF_13131.NEF De qualquer forma, como diversão apenas, está valendo. As cenas de ação são muitíssimo bem feitas e, para aqueles que não suportam o patriotismo exagerado dos americanos, vão adorar ver a Casa Branca sendo bombardeada.

“Invasão à Casa Branca” está em cartaz no Netflix.

Deixe sua opinião

Publicado por Melissa Andrade

“Em Chamas” faz mais barulho que “Jogos Vorazes”, e com razão

A última aventura de Dante Alighieri