Crítica: Em "Será que?" todos os clichês estão perdoados

Se toda história de amor é clichê, então que faça desse clichê uma carismática história de amor. Será que? parte de uma premissa batida, mas que vai se revelando irresistível: Wallace (Daniel Radcliffe) e Chantry (Zoe Kazan) se conhecem numa festa de amigos em comum.
A identificação é imediata. Ele, que acabou de sair de uma relação traumática, se encanta com o senso de humor despretensioso dela. Mas no fim da noite, a surpresa: ela tem namorado. Daí, optam pelo que resta, e viram amigos, aproveitando a química que os envolve. Evidentemente que as emoções vão se aflorando e colocando em prova questões como razão e ética. Ou seja, mais do mesmo.

HT_what_if_dressing_room_jef_140530_16x9_608

Mas o que faz de Será que? um filme agradável e plenamente digerível, é o verniz envolvente que o diretor Michael Dowse – adaptando a peça teatral de T. J. Dawe e Michael Rinaldi – imprime na narrativa. Mesmo com soluções gráficas já usadas em filmes como 500 Dias Com Ela e (boa) trilha sonora clichê de filme indie, não tem como não se entorpecer pelo universo do amor não correspondido entre um típico loser ianque (mesmo sendo britânico) e uma garota cool em conflito. E ainda conta com bons coadjuvantes como o casal intempestivo – antítese dos protagonistas – vividos por Mackenzie Davis e Adan Driver (repetindo aqui a bem sucedida persona de Girls), rendendo momentos hilários.
O roteiro (de Elan Mastai) acerta ao investir numa espécie de auto ironia, relativizando seus lugares comuns. Em determinado momento o casal se desacerta, mesmo com todos os meios para ficarem juntos. Um velho e manjado truque de roteiro que fica bem evidente. Mas o clichê ali se perdoa pelo carisma de suas bases. Toda a história de amor continua sendo clichê, assim como ser seduzido por sua assimilável passionalidade e adorável cretinice.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ant.
Galeria: Grace Slick

Galeria: Grace Slick

Grace Slick and The Great Society – Born to Be Burne

Próxima
John Malkovich cansou de ser John Malkovich para ser Che Guevara, Albert Einstein, Marilyn Monroe, Coringa etc.

John Malkovich cansou de ser John Malkovich para ser Che Guevara, Albert Einstein, Marilyn Monroe, Coringa etc.

Quem nunca se imaginou no corpo ou na mente de outra pessoa?

Você pode gostar