Há um ponto nevrálgico entre a história do filme Duas Rainhas e o mundo atual que vai além da rede de intrigas pelo poder, recorrente no passado (real e ficcional) e no presente. Trata-se de um forte discurso feminista, que por mais que tenha sido realçado pela circunstância atual e pela fato do filme ser dirigido por Josie Rourke, se alinha com a factualidade de acompanhar a chegada de Mary (Saoirse Ronan) à Escócia, após a morte do seu marido, o príncipe francês Francis.

De volta ao seu país de origem, Mary tenta de tudo para derrubar a sua prima Elizabeth I (Margot Robbie), a Rainha da Inglaterra, e assumir a coroa de ambos países. Stuart, Rainha da Escócia, seria a verdadeira herdeira do trono do Reino Unido – devido à sua linhagem familiar.

Baseado no livro ‘Queen of Scots: The True Life of Mary Stuart’, de John Guy, o filme foca principalmente na trajetória errante de Mary, inclusive a nome original é homônimo ao livro, e essa “tradução” brasileira é equivocada, uma vez que o foco da trama está em uma rainha só, sendo Elizabeth o seu contraponto e reflexo dramático.

O roteiro, de Beau Willimon, que parece ser especialista em thrillers de drama político, como na série House of Cards e no bom filme Tudo Pelo Poder (de George Clooney), ao mesmo tempo que constrói bem a tensão emocional sempre crescente entre as duas, simplifica de forma didática a narrativa de intriga política que gravitava essa relação.

Em Tudo Pelo Poder, ele já tinha “simplificado” a questão política, mas que funcionou dentro das bases dramáticas envolvidas. Aqui, o roteiro por vezes tropeça com personagens e situações pouco críveis diante da dimensão retratada. Direção de arte, caracterização, figurino e fotografia não fogem a opulência dos livros de História.

Magnificamente. Saoirse e Robbie estão ótimas em seus papeis, com a primeira comprovando a destreza em lidar com qualquer complexidade dramática de interpretação e a segunda num belíssimo crescimento profissional a cada filme.

A força dessa rivalidade fria exprime um forte discurso feminista, sobretudo pela maneira imperialista que elas são colocadas. Nesse sentido, o filme cresce muito. Tanto que as cenas finais são mais fortes pelo que representam do que pelo que dizem no todo. E isso se aplica ao filme em si: representa mais do que diz. O que não é necessariamente um pecado.

“Duas Rainhas” e a força de seu discurso
3 / 5 Reviewer
{{ reviewsOverall }} / 5 Users (0 votes)
Rating3
What people say... Leave your rating
Order by:

Be the first to leave a review.

User Avatar User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Leave your rating

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Publicado por Renan de Andrade

A paixão pelo audiovisual me pegou de assalto desde o berço. Assim como a necessidade de desbravar o alcance da comunicação. Formado em Jornalismo e atuando nas áreas de roteiro e direção na TV, sinto-me cada vez mais imerso nos matizes da arte (audiovisual) e da vida (comunicação).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *