em

Festival do Rio 2013: “Night Moves”

Questões ambientais estão em pauta há muitos anos e, apesar de muitas discussões realizadas por autoridades mundiais, pouco tem sido feito na prática para mudar a situação do Planeta. Por isso, grupos como o Greenpeace costumam realizar atos visando uma maior reflexão sobre esse assunto. Mas, e se uma dessas ações desse errado e gerasse consequências inesperadas? Valeria a pena? Esse é um dos principais temas da produção EUA/Brasil, “Night Moves”.

A trama se passa numa cidade do interior dos EUA, onde vivem a jovem de família rica Dena Brauer (Dakota Fanning) e o introspectivo e paranoico Josh Stamos (Jesse Eisenberg). Os dois se unem no ativismo ambiental e desejam destruir uma represa, para o bem do Planeta. Para ajudá-los, entra em cena o ex-militar Harmon (Peter Sarsgard), que elabora o plano e os auxilia com a produção dos explosivos. Os três concordam que, após a explosão, cada um seguiria seu caminho para que não acabassem presos. Tudo ia bem, até que acontece algo inesperado, o que provoca uma desconfiança no grupo e pode causar problemas ainda mais graves.

night-moves04

A primeira metade do filme se concentra basicamente no desenvolvimento do plano de Josh, Dena e Harmon, contado de forma lenta e contemplativa, e responde pela melhor parte da produção. Pena que, depois que acontece a explosão, falta um pulso maior da diretora Kelly Reichardt para desenvolver melhor o suspense e criar cenas de maior impacto, especialmente nas que mostram os jovens tensos com o que aconteceu na represa. No entanto, vale destacar o apuro visual das imagens que mostram o meio ambiente da região, em particular uma, quando os três passam por uma área de árvores devastadas.

night-moves03

Um dos problemas de “Night Moves” está no roteiro, assinado pela diretora e por Jon Raymond que, embora busque desenvolver bem os personagens, peca em não criar soluções melhores para os conflitos vividos por seus protagonistas. A não ser associar o sentimento de culpa vivido por Dena com erupções que surgem em sua pele. Mas o que põe tudo a perder mesmo é o seu final anti-climático, que pode causar uma sensação de decepção ao espectador.

nightmove_f01cor_2013110538

Mas o que o salva o filme mesmo é o seu elenco. Dakota Fanning está mesmo disposta a mostrar para o mundo que seu talento não terminou após deixar a infância e seus papéis de criança-prodígio. Com Dena, ela faz um trabalho que, se não é espetacular, pelo menos funciona para a sua personagem (que seria interpretada por Rooney Mara), especialmente quando começa a ver que lutar por uma causa é mais do que simplesmente participar de protestos. Peter Sarsgard, embora apareça pouco, mais uma vez faz uma interpretação competente como o ativista Harmon. Porém, o verdadeiro destaque é Jesse Eisenberg, que tem a difícil tarefa de atuar como uma pessoa neurótica e antissocial e não faz feio. Ao contrário de seus papéis mais conhecidos em filmes como “A rede social” e “Zumbilândia”, ele não fala pelos cotovelos e sua performance se concentra mais nos olhares e no gestual, conseguindo um bom resultado.

“Night Moves” ainda não tem data para sair no Brasil. Confira abaixo as datas e locais de exibição do filme no Festival do Rio:

DIA SESSÃO CINEMA
Sábado, 28/09 19:15* Odeon Petrobras OD006
Segunda, 30/09 16:30 São Luiz 3 SL314
Segunda, 30/09 21:30 São Luiz 3 SL316
Quinta, 03/10 14:00 Cinepolis Lagoon 5 LG025
Quinta, 03/10 19:00 Cinepolis Lagoon 5 LG027

* Sessão com convidado(s)

Participe com sua opinião!

Street Fighter

Publicado por Célio Silva

VerificadoEscritorVideocastCinéfiloColecionadorSuper-fãs

Catarse: “São Paulo dos Mortos”, por Daniel Esteves

Festival do Rio: Muscle Shoals – Um Estúdio Lendário do Rock