em

Missão Impossível 4 – Invadindo o Asilo

Tom Cruise está velho e sabe disso. Na mais nova edição da franquia Missão Impossível, o agente Ethan Hunt tem a missão de salvar a mundo de uma guerra nuclear que está em vias de ser perpretada por um cientista que acha que apenas assim os fortes sobreviverão.

Os detalhes das missões e reviravoltas são desnecessários por ser mais do que já estamos acostumados. Filmes de ação fácil, devidamente mastigados e digeridos, pronto para ser absorvido pelo espectador.

O diferencial aqui é o diretor Brad Bird e sua equipe. Para quem não conhece, ele era diretor de animação da Pixar e foi dele o genial “Os Incríveis”. Aqui, vemos uma versão MI daquele desenho.

Propositadamente, foi mostrado que Hunt está começando a se cansar de todo jogo de espiões e coisas absurdas que ele tem que fazer para salvar o mundo de si mesmo. Em diversos momentos, as até então monumentais lutas dos outros filmes ganham ar de comédia, especialmente a última quando Hunt se vê sofrendo para bater em um físico nuclear cinquentão.

Jeremy Renner, por outro lado, chegou para acrescentar sangue novo a franquia e pode muito bem se tornar o protagonista dos próximos filmes, com Cruise aos poucos ficando em segundo plano.

Paula Patton e Léa Seydoux

Ainda assim, o filme é diversão de qualidade, muito superior a qualquer filme de ação que eu pude ver em 2011. As imagens captadas por Robert Elswit são de altíssima qualidade. Claras e ricas em detalhe, porém há uma série de falhas na transição para as imagens geradas por computador que acabaram por serem um tanto quanto saturadas e escuras (vide a cena da explosão do Kremlin).

Já ao departamento de som, só me basta os aplausos. Fazia anos que eu não assistia um filme em que realmente eu me sentia envolvido. Isso talvez seja, em boa parte, devido a equipe ser composta por diversos técnicos que já haviam trabalhado com Bird anteriormente.

Ainda nos bastidores, a Bad Robot de J. J. Abrams foi a responsável por mais este filme, tanto que ambos os roteiristas já trabalharam com o produtor em seriados como LOST e Alias (percebe-se um pouco do humor sagaz deste último em toda extensão do filme).

Abrams é atualmente um Rei Midas nas produções hollywoodianas e de seriados. Dificilmente algum de seus produtos não ganha destaque e rende lucros e este Missão Impossível é mais uma prova disto.

Missão Impossível: Protocolo Fantasma é mais um bom filme de uma série que consegue ser boa em divertir, seja com Brian DePalma e seus longos takes a John Woo e sua câmera lenta forrada de pombas voadoras.

Um último detalhe para quem curte LOST, um certo naufrago aparece em uma participação especial logo no começo da película e convenhemos, ele convence como espião (até que ele é morto pela vocalista do Ting Tings, mas isso é detalhe).

[xrr rating=3.5/5]

Participe com sua opinião!