em , ,

EitaEita NonNon TopTop UauUau

O legado de Michel Subor (1935-2022)

Ator que filmou com Godard, Truffaut, Hitchcock e Claire Denis, morreu aos 86 anos

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia

Estou ouvindo o universo!“, Bruno Forestier, personagem interpretado por Michel Subor, ao ler “J’écoute l’Univers”, um romance de ficção científica do autor francês Maurice Limat (1914-2002) em O Pequeno Soldado (Le petit soldat, 1960) de Jean-Luc Godard (1930).

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia

Para os cinéfilos, Michel Subor será, sem dúvida, para sempre o ator de  Le Petit Soldat. Para o resto da humanidade, seu destino deve ser mais ou menos invejável, dependendo da geração. Ele é, no entanto, um dos maiores atores do cinema francês. O ator morreu no dia 10 de janeiro desse ano, aos 86 anos. Nascido Joseph Michel Subotzky, filho de imigrantes russos e azeris, Subor, teve uma surpreendente carreira errática, que não parece fazer justiça a esse talento abençoado pelos deuses.

Seus pais, russos, antibolcheviques, emigraram para a França alguns anos antes. Um pai e engenheiro moscovita, uma mãe do Azerbaijão. E ali em Paris estuda a arte de interpretar, do jogo e do movimento. A diplomacia o tenta, mas será um ator. Godard o viu no teatro, em Les Séquestrés d’Altona. O diretor o levou para fazer testes usando trechos de Shoot the Pianist de a François Truffaut (1932–1984). O personagem de François Forestier, para ele, se assemelha a Godard: “marginal, solitário, independente”.

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia
Brigitte Bardot, Roger Vadim, Michel Subor

Depois de alguns pequenos papéis, estabeleceu-se no papel de Alain Vanier contra Brigitte Bardot (1934) em Torneio de Amor (1961) por Roger Vadim (1928–2000). Célebre narrador de “Jules e Jim” (1962) deTruffaut, logo seria o papel principal no segundo longa de Jean-Luc Godard, O pequeno soldado (Le petit soldat), mas o governo francês o proibiu até 1963 por causa de seu conteúdo político, abordando o terrorismo durante a não declarada Guerra da Argélia.

Nesse filme interpreta um desertor do exército francês na Argélia que defende as ideias da extrema-direita antes de se apaixonar por Verônica, interpretada pela divina Anna Karina. Censurado pela primeira vez, o filme tornou-se cult e Michel Subor iniciou uma curta carreira internacional.

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia

Com André Cayatte (1909–1989) fez Confissões de uma Mulher Casada e Confissões de um Homem Casado (La Vie conjugale, 1964), também tentou o cinema mais tradicional. Tentando a sorte no exterior, filmou sob a direção dos ingleses Clive Donner (1926–2010) com O que há, Gatinha? (What’s New, Pussycat?, 1965) e Alfred Hitchcock (1899–1980), no thriller de espionagem, Topázio  (L’Etau, 1969, foto abaixo).O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia

Outra característica é incompletude de sua carreira, como no filme de Paul Gégauff (1922–1983), Le Reflux (1965), adaptação de um conto de Stevenson cujo produtor não adquiriu os direitos e que deixou inacabado ao se estabelecer na Espanha para montar uma loja de chips.

Entre a telinha e a telona

Durante a década de 1970, Subor dedicou-se principalmente à televisão, destacando-se nas séries Mauregard (1970) e La Ligne de demarcation (1973) e nos telefilmes L’Oreille absolute (1972) e Sultan à vente (1974), onde faz o papel de aristocrata

Sua carreira cinematográfica encontra um segundo fôlego graças a Jean-Louis Bertucelli ((1942–2014), que o dirige em Doctor Françoise Gailland (1975), L’imprécateur (1977) e Stress (1984). No entanto, foi Gérard Blain (1930-2000) quem o tirou do esquecimento, dando-lhe um papel em 1980, o do promotor homossexual Beaufils, em Le Rebelle.

Após um longo hiato, Michel Subor volta pela porta da frente ao cinema em Bom Trabalho (1999) de Claire Denis (1946), no qual interpreta o papel do Comandante Bruno Forestier (o mesmo nome de “Le Petit Soldat”). O realizador dá-lhe três novos papéis, em Minha Terra, África (White Material, 2009), interpretando o dono de uma plantação de café na África; Bastardos (2013) e sobretudo O Intruso (2004), um filme em que impõe definitivamente a sua presença na telona.

Andrzej Zulawski (1940-2016) o chamou para as necessidades de La Philippe Garrel (2000), enquanto com Philippe Garrel (1948) Inocência selvagem (2001), papéis impressionantes.

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia

Finalmente, em 2012, retorna à França para O Último Inverno de John Shank (1977), um filme que trata do mundo camponês com Vincent Rottiers (1986) no papel-título. Seus últimos papéis foram para a telinha, na 4ª temporada de Braquo (2016) e na 1ª temporada de Aux Animaux la guerre (2018).

O legado de Michel Subor (1935-2022) | Astros | Revista Ambrosia
(Photo by CARLO BARONCINI / AFP)

Subor morreu em 17 de janeiro após um acidente de carro. Descanse em paz, grande ator inconformista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

#Lançamento'22 Circuito Ambrosia