em

“Robocop” de José Padilha é político, mas recai no emblematismo

O novo filme de José Padilha é uma produção ambiciosa para um diretor acostumado com a estrutura e os arquétipos do cinema brasileiro, bem como com o jogo de famosidades que embarca a prospecção de um filme. Com nomes como Gary Oldman e Samuel L. Jackson na produção e o investimento da MGM – além do fato de lidar com um emblema da cultura pop dos anos 80 -, Padilha soube criar um corpo que articulou bem com seus membros, mesmo não tendo nada de particularmente excepcional.

Robocop” foi feito símbolo do cinema de ficção cientifica e policial pelo diretor Paul Verhoeven e os roteristas Edward Neumeier e Michael Miner. Verhoeven dirigiu “O Vingador do Futuro“, e Neumeier, juntamente com Miner roteirizaram a série homônima de “Robocop“. Essa dupla também assessorou Padilha no roteiro de sua versão para “Robocop“, juntamente com Joshua Zetumer. Contudo, mesmo se valendo de um emblema que é Robocop e seu background em Detroit, “Robocop: A Origem” – que com mesmo titulo que o de 1987 – é uma produção autoral se olharmos para Padilha.

Com filmografia de cunho social e político – “Ônibus 147“, “Garapa” e “Tropa de Elite” – , a construção desse longa foi em torno da questão de segurança pública e armamentista dos EUA: os jogos de poder da iniciativa privada sobre a opinião pública ao negociar segurança. Mas ainda tendo grande cenas para a história do policial Alex Murphy (Joel Kinnaman) e sua transformação no símbolo “Robocop”. E é nesse ponto que o roteiro desnuda a ambição politica do longa: o emblematismo do personagem principal, em meio a sua mitificação, cria um vigilante que reúne para si a solução dos questionamentos a cerca da segurança pública, não abrindo espaço à uma solução para os cidadãos, fazendo do discurso do filme um desfile da podridão comum da sociedade de mercado e das estruturas de poder com o manuseio midiático – Pat Novak (Samuel L. Jackson) é o personagem que rivaliza com Robocop em importância para o longa com seu discurso e sua história.

As personagens foram bem interpretadas, sem nenhum destaque excepcional, ainda que Kinnaman esteja um tanto sonso e estereotipado em seu policial justiceiro. Michael Keaton, como o empresário ambicioso Raymond Sellars; Gary Oldman como o emocional Dr. Dennett Norton; Michael Willians como o parceiro de Murphy, Jack Lewis; e os personagens secundários também estão bem entrosados e representados: Abbie Cornish como Clara Murphy;  Jackie Haley como o ácido Rick Mattox; Jennifer Ehle como Liz Kline, dentre outros.

Um ponto fraco do filme foi a falta de jogo de cena entre Alex e seus familiares, os quais foram santificados num lugar-comum no roteiro – uma possível falta de interesse com esse ponto (?).

No quesito brasilidade, não é difícil reconhecer nos personagens estereótipos comuns e atuantes de nossa sociedade midiática, bem como das negociatas do poder publico frente ao lobby privado nos grandes centros urbanos, como ocorre em Detroit.

Quanto as produtoras e estúdios, a MGM Pictures acertou na produção de Padilha, o que para Columbia foi mais um sucesso na lista – “Trapaça” (2014), “Espetacular Homem Aranha 2” (2014), “Caçadores de Obras Primas” (2014), “Capitão Phillips” (2013).

Publicado por Marcos Ordonha

Blogueiro, presença aqui no Ambrosia. Aprecio uma boa crítica, boas músicas, animês, quadrinhos, filmes, livros, textos e comentários.