em ,

Topscore: Os melhores games de 2010

Antes de iniciar esta coluna, me perguntei se valia a pena postar esta lista como parte do Topscore, já que minha proposta aqui era criar mais listas non-sense ou que servissem como entretenimento. Ainda sim, este artigo fundamental não deixa de ser uma lista sobre games, tema comum as edições anteriores da coluna, então pensei que não haveria problemas em postá-lo como a terceira edição do Topscore aqui no Ambrosia.

Para manter o “espírito” da coluna, tentarei me valer do estilo informal/abusado previamente estabelecido. Outra coisa importante, só valem jogos que eu joguei beleza (e como não tenho Xbox não tive a chance de testar Fable 3, por que Halo nunca terá muita chance comigo já que FPS não está entre meus gêneros preferidos)?

10 – Castlevania: Lords of Shadow

Vamos esclarecer uma coisa: eu adoro action-adventures, eles ficam no meu coração lado a lado dos jogos de RPG e Estratégia. E por mais que o novo Castlevania tenha seus problemas, o jogo é muito legal e conquistou verdadeiramente minha simpatia.  O sistema de lutas é excelente, os puzzles são bem legais e bem… é uma perspectiva refrescante em uma franquia que eu jogo desde o meu primeiro vídeo-game, um Nintendinho. Vale ressaltar a câmera fixa é uma bela porcaria, e ajudou a atrasar alguns lugares desse jogo no ranking.

.

9 – God of War 3

A  história já não é tão legal desde o primeiro jogo, apesar de Kratos até ficar um pouquinho menos unidimensional nesse aqui, mas mesmo assim God of War 3 poderia usar perfeitamente o chavão que vinha nas HQs do Scott Pilgrim, “an Epic of Epic Epicness”. A escala do jogo é simplesmente de lhe roubar o ar, é tudo tão grandioso e divertido que não temos como não levar este game a sério, quer dizer não dá para levar os diálogos do Kratos a sério, mas você entendeu o que eu quis dizer. É o fim da franquia? Até deveria ser, mas tenho certeza que ainda vão tentar mamar muito dinheiro deste personagem.

.

8 – Super Meat Boy

É,você é um pedaço de carne em um jogo de plataforma difícil para car…. As vezes dá um certo ódio ao jogar, mas geralmente é muito divertido. Passar de uma fase difícil e assistir a todas as suas mortes ridículas simultaneamente não tem preço. E o jogo tem capacidades hipnóticas, leve-o para uma sala cheia de gente que em pouco tempo todos estarão jogando e gritando a cada morte. Pobre Meat Boy.

.

7 – Enslaved: Odissey to the West

Não importa muito que o jogo já é bastante divertido. Enslaved é bizarramente pessoal e crível, esqueça Heavy Rain, apesar de ele ser um bom jogo, o verdadeiro futuro das interações com personagens virtuais está aqui (e em LA Noire aparentemente). Uma história tocante sobre dois personagens incríveis e um gordinho maneirismo. Poucas histórias foram tão bem contadas no meio dos vídeo-games.

.

6 – Amnesia: the Dark Descent

O único jogo em primeira pessoa da lista,e não, não é um shooter, bem longe disso, você não tem como atirar em nenhum momento. Amnesia é um verdadeiro Survival Horror, gênero que recebeu dois bons jogos nos últimos tempos (este e Silent Hill: Shattred Memories para o Wii). Não recomendado para os fracos de coração… e se for jogar, siga as instruções que aparecem no início, só jogue a noite e no escuro, e não se esqueça de por o fone de ouvido. Você vai entender porque ele está nessa lista.

.

5 – Starcraft 2

Melhor multiplayer do ano? A campanha já é fantástica, o visual das cutscenes belíssimo, a história intrigante e a jogabilidade perfeita (mesmo quando não se tem um nível ridículo de apm). O jogo é tão legal que eu até perco tempo assistindo outras pessoas jogarem, dá para entender porque isto virou o “esporte” nacional dos Coreanos. Fora que os narradores costumam a ser impagáveis. Devo dizer que tive a chance de assistir ao campeonato da América latina ao vivo e bem… não chega a ser tão divertido.

.

4 – Donkey Kong Country Returns

Os três Donkey Kong Countrys do Snes são merecedores de entrar em todas as listas de  melhores jogos do console, inferno, talvez até da década de 90. Quando o primeiro jogo da finada Rare (admitamos eles morreram quando saíram da Nintendo) foi lançado em 94, o Snes ganhou efetivamente a “guerra” contra o Gênesis (ou Mega Drive), que não tinha como produzir coisas semelhantes. E agora ganhamos mais um jogo de plataforma excelente na forma de DKCR, com gráficos belíssimos e design de fase assombroso.  Fico esperando para jogar com a Dixie no próximo game (Return 2? Desde que eles não chamem de Forever ou coloquem o Joel Shumacker no Game acho que estamos salvos).

.

Top 3: Difícil escolher o melhor jogo de 2010, antes de colocar esta contagem, quero dizer apenas que acredito verdadeiramente que este três jogos foram os melhores em seus respectivos gêneros e são incomparáveis. Impossível para mim enxergar uma vantagem clara que um tenha sobre o outro. Mas como eu não sou covarde vou colocá-los em ordem numérica mesmo assim. Vale dizer, no entanto, que provavelmente mudando o dia, eu poderia perfeitamente inverter a ordem destes números de tão bons que todos são.

3 – Red Dead Redemption

Afe… John Marston, você me fez gostar de verdade de velho oeste, coisa que eu nunca fui assim tão fã. O jogo é absolutamente fantástico e se encontra a milhares de kilometros dos demais jogos da Rockstar.  Da história ao detalhado mundo aberto tudo neste game leva um toque de genialidade. Se você não jogou largue tudo o que está fazendo e vá atrás dessa pérola do faroeste. Esse jogo me fez questionar uma das pérolas da internet sobre a guerra ancestral dos Ninjas contra os Piratas: Pirates and Ninjas agree: cowboys suck, mas não John Marston.

.

2 – Super Mario Galaxy 2

Este jogo compartilha uma característica com o primeiro lugar, ele foi considerado pela crítica como o melhor jogo de seu gênero (plataforma no caso) que já foi desenvolvido. Como superar o que já era perfeito? A Nintendo sabe, e mostra mais uma vez porque é a melhor criadora de games entre as empresas de hardware do mercado (ou first party games). Não é porque é o Mario não, mas o jogo é simplesmente fantástico, eles pegaram tudo o que funcionava no primeiro e multiplicaram o conteúdo por mil: mais fases, mais porwer ups, horas e mais horas de diversão, e tudo isso como uma dificuldade extremamente desafiadora, sem dúvidas o jogo de plataforma supremo.

.

1 –  Mass Effect 2

Também tido pela metacrítica como melhor RPG já desenvolvido, a Bioware mantêm o seu feito impressionante de nunca ter lançado um jogo ruim. A empresa Canadense detêm nada menos do que 5 dos 10 lugares na lista dos melhores RPGs de todos os tempos (é só entrar no Gamerankings e conferir). O primeiro Mass Effect tinha uma história maravilhosa,mas pecava em diversos pontos do quesito gameplay. O segundo jogo da série continua esta história, sem dúvida um dos melhores e mais criativos universos já criados para um game, e soma ele uma jogabilidade impecável e gráficos belíssimos. Mass Effect 2 é gigantesco e tem tantas conseqüências diferentes que é praticamente impossível ver o jogo inteiro. A história de Sheppard e a forma como ela é continuada neste, absorvendo todas as suas decisões prévias, mostra a capacidade única e brilhante dos games como mídia, algo que não poderia ser reproduzido em outro lugar.

.

Outros Jogos que eu joguei e poderiam estar na lista:

Super Street Fighter 4, Assassin’s Creed Brothehood, Kirby Epic Yarn, Heavy Rain, Silent Hill: Shattred Memories, Metroid: Othe M (porquê não?).

Jogos que eu não joguei e que talvez merecessem estar nessa lista:

Alan Wake, Civilization 5, Fable 3, Fallout: New Vegas, Rock Band 3, Metal Gear Solid: Peacewalker, Limbo.

Jogos que definitivamente não entrariam nesta lista (nem se ela fosse um top 50):

Halo, Medal of Honor, Dead Rising 2, Gran Turismo 5, Need for Speed: Hot Pursuit, Blur, DJ Hero 2, entre outros.

2 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. O mesmo de todo Gran Turismo: pra quem tem tara por carro (do tipo, não dorme à noite se lembrar que nunca vai ter uma Ferrari na vida) é um ótimo jogo.
    Mas para todo o resto da humanidade é muito, MUITO CHATO.

Deixe sua opinião

Publicado por Felipe Velloso

Bitscópio: Alone in the Dark

Com show “bem comportado” Amy Winehouse cai nas graças do público carioca