Livro “Revolucionárias: Joana D’Arc e Maria Quitéria”, desvenda o papel feminino nas grandes revoluções

18
0
Capa do livro Revolucionárias: Joana D'Arc e Maria Quitéria - Divulgação

Isabelle Anchieta cruza as trajetórias de Joana D’Arc e Maria Quitéria na obra “Revolucionárias” tecendo relações entre essas mulheres que inauguram uma posição social de gênero sem precedentes e investiga o que elas podem nos ensinar até hoje.

Joana d’Arc foi a primeira mulher na história a liderar o exército francês; Maria Quitéria, menos conhecida (até entre os brasileiros), a primeira mulher brasileira a lutar oficialmente no exército nacional em prol da Independência do país. São 400 anos que distanciam as duas revolucionárias unidas por uma tessitura sociológica construída pela pesquisadora Isabelle Anchieta no livro “Revolucionárias – Joana d’Arc e Maria Quitéria” a ser lançado em março. O título demonstra o protagonismo feminino nas revoluções ao cruzar essas duas trajetórias e descortinar questões atuais e pertinentes: a luta por autodeterminação, a liderança carismática, a polarização social e o heroísmo (imperfeito).

Publicado pela Editora Planeta, o livro é divido em duas partes em que investiga aspectos da vida de cada uma, como a infância, a criação e as motivações que as levaram a se tornarem figuras históricas marcantes. Apesar da distância temporal e territorial, as duas personagens estudadas viveram em sociedades impregnadas por entraves culturais, legais, institucionais, à liberdade de escolha e à ação das mulheres. Mesmo assim, Joana liderou grandes cavaleiros franceses e era respeitada pelo rei. Maria Quitéria foi a única soldada reconhecida ainda em vida pelo imperador Dom Pedro I. A autora busca, ao recontar a história com um olhar sociológico, responder à pergunta primordial: como elas alcançaram tais honrarias? Como conseguiram, como mulheres, passarem de vítimas para algozes? De submissas à insubmissas e serem reconhecidas por isso? O livro é uma tentativa de elucidar o estranho sucesso dessa empreitada.

“Quanto mais pesquiso, mais me dou conta de que a história das mulheres é mais fruto de desconhecimento do que de ausências históricas. Elas foram presentes, atuantes, porém suas histórias não foram contadas e a memória é sempre traiçoeira quando não registrada”, afirma Anchieta, que também é autora da trilogia “Imagens da Mulher no Ocidente Moderno”, lançado em 2020.

As imagens são a pedra angular da pesquisa de Isabelle Anchieta, a partir das quais constrói a armação conceitual da pesquisa. É através da iconografia que as contradições se revelam, uma vez que grande parte das obras de arte, monumentos, emblemas e retratos que representam heróis são contaminadas por valores sociais. “Essa imagem maliciosa (e fascinante) é ao mesmo tempo testemunha e força ativa da História Social. Ela tem um papel central nas lutas por reconhecimento, não só dos sujeitos, mas das sociedades”, afirma a autora no livro, que ganha orelha assinada por Maria Arminda do Nascimento Arruda, Vice-reitora da Universidade de São Paulo.

“O argumento de fundo reside no reconhecimento de que essas heroínas inauguraram ‘uma posição social de gênero sem precedentes históricos, ainda que isso não tenha significado, imediatamente, uma mudança na situação das mulheres em geral’. Esse duplo paradoxo, presente tanto na radicalidade transgressiva das suas escolhas, quanto na heroificação dos seus feitos, tornam-nas personalidades aparentadas e passíveis de receber tratamento analítico comum”, destaca Arruda.

Para ampliar o alcance do livro, a autora não se limitou a documentos históricos, mas reuniu o próprio material de campo feito na França e no nordeste brasileiro que agrega caráter visual à narrativa. Espalhados em diversos capítulos, há variados QR codes que direcionam os leitores e as leitoras para vídeos, gravados pela própria autora, de obras de arte, museus e locais reais por onde Joana d’Arc e Maria Quitéria passaram, como os locais onde viveram.

Em Revolucionárias, Isabelle reconstrói a história das protagonistas, de uma forma inusitada e original, ao evidenciar que Joana e Quitéria são mais do que imagens de mulheres que participaram de momentos decisivos da construção da ideia de nação em seus países. Elas tornaram as próprias lutas símbolos atemporais, romperam com um sistema secular e remexeram na ordem dos costumes. “Foram modernas, antes que a modernidade firmasse seus pés”, escreveu Anchieta.

FICHA TÉCNICA:

Título: Revolucionárias
Autora: Isabelle Anchieta
ISBN: 978-85-422-2498-6
336 páginas
Adaptação de capa: Renata Vidal
Ilustrações de capa: Scholastic, 2021
Editora Planeta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *