em

O Baile das Lobas: A Câmara Maldita

Em 1500, na França, Isabel estava prestes a se casar e fugir com seu noivo para não ter que se submeter à Francisco de Chazeron, senhor de Vollore, em plena noite de núpcias. Porém, a fuga não dá certo. Isabel é capturada, e vê seu marido morrer tentando salvá-la. Ela é castigada por Chazeron, que a deixa à mercê dos lobos famintos. Mas Isabel não é uma mulher comum. Sua família tem o sangue dos lobos correndo nas veias, e ela se refugia em uma caverna com eles. Seu único desejo agora é se vingar. E depois de 15 anos, esse desejo persiste.

É assim que começa O Baile das Lobas, da francesa Mireille Calmel. Dividido em dois volumes, a trama foi um sucesso na França, o que o fez ser traduzido para o Brasil, sendo publicado pela editora Nova Fronteira. Em A Câmara Maldita, o primeiro livro, vemos a luta de Isabel para superar sua tragédia e a determinação de Albéria, sua irmã, para levar a cabo a vingança tramada por ela. Embora O Baile das Lobas tenha como principal característica a abordagem feminina, é um homem o grande herói do livro. Hugo de La Faye, administrador de Chazeron e casado com Albéria, se mostra carismático, sincero e justiceiro. Ele compartilha a dor das mulheres que o cercam, por isso é nele que todas encontram a força que precisam para agüentar os abusos do senhor de Vollore. Inclusive Antonieta, mulher de Francisco. Ele é de longe o mais interessante da história.

A carga emocional das personagens é intensa. São os sentimentos de cada um que fazem a trama andar. Isso confere uma falta de razão aos atos narrados por Mireille, pois tudo é feito no calor das emoções e de forma muito precipitada. Principalmente em se tratando de Loralina, filha de Isabel, que tenta dar cabo à vingança planejada pela mãe. São os sentimentos que deram início a história, logo são eles que garantem a continuação dela. Mesmo com todo o clichê que envolve a trama, o livro prende. A autora constrói muito bem a narração, inserindo acontecimentos passados em momentos específicos para caracterizar as personagens. Isso é feito de forma natural e clara, convincente. Sua intenção é solidarizar o leitor com as dores das mulheres, e ela consegue. Às vezes tudo parece ser fantasioso demais, mas isso não é problema. Afinal, trata-se de ficção.

Os lobos sempre estão presente na narrativa, mas a questão do lobisomen fica em segundo plano, porque o que mais interessa aqui são as relações entre as personagens. É de se esperar que o objetivo principal não se cumpra no primeiro livro. O desejo de Isabel e Albéria é frustrado em A Câmara Maldita, e ele será concretizado apenas no segundo volume, A Vingança de Isabel. Mais um motivo que prende o leitor, pois Mireille sabe como deixá-lo com vontade de continuar a acompanhar essa história. O Baile das Lobas lembra em alguns momentos aqueles livros de tia solteirona que se vendem em bancas de jornais. Entretanto, não deixa de ser um bom entretenimento.

Participe com sua opinião!

Navegante

Publicado por Taize Odelli

Novo filme do Aranha chega 3D em 2012

Penelope Cruz confirmada Piratas do Caribe IV