em

Os dez Romances mais representativos da Literatura Portuguesa

A Universidade de Coimbra (casa de onde saíram pensadores brilhantes e uma referência incontornável no panorama do Ensino Superior no mundo todo) organizou a difícil tentativa de nomear os 10 Romances mais significativos da Literatura Portuguesa.

Na primeira fase do concurso “10 Paixões em Forma de Romance”, todos os membros da comunidade universitária – passando por alunos, docentes e funcionários de todos os cursos – puderam designar os três romances que mais gostaram de ler. Depois de apurados os 30 romances mais votados, o júri composto pela Vice-Reitora da Universidade de Coimbra Cristina Robalo Cordeiro, pelos escritores José Luís Peixoto e João Tordo, pelos professores da FLUC José Cardoso Bernardes (coordenador do Centro de Literatura Portuguesa da FLUC), Maria Aparecida Ribeiro (docente de Literatura Brasileira) e José Luís Pires Laranjeira (docente de Literatura Africana) e presidido pelo diretor da Imprensa da Universidade, João Gouveia Monteiro, se reuniu para eleger os ‘10 mais’. Para chegar a esta lista final, o júri teve em conta a diversidade e representatividade de diferentes épocas, correntes, geografia e gêneros, bem como a expressão da vontade dos votantes.

Amor de Perdição” de Camilo Castelo-Branco, “Aparição” de Vergílio Ferreira, “Dom Casmurro” de Machado Assis, “O Delfim” de José Cardoso Pires, “Esteiros” de Soeiro Pereira Gomes, “Memorial do Convento” de José Saramago”, “Os Maias” de Eça de Queiroz, “A Sibila” de Agustina Bessa-Luís, “Sinais de Fogo” de Jorge de Sena e “Terra Sonâmbula” de Mia Couto são os 10 romances que o júri constituído por escritores e docentes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) elegeu como os mais representativos da literatura de língua portuguesa, de entre as 30 obras mais votadas por docentes, estudantes e funcionários da Universidade.

Segundo a Universidade, o objetivo deste concurso era tomar esta escolha como um pretexto para falar de livros e de boa literatura, na seqüência de outras iniciativas levadas a cabo pela mesma. Assim, ao longo do ano de 2010, a Universidade de Coimbra, em parceria com a Biblioteca Geral e o Centro de Literatura Portuguesa da FLUC, irá promover diversos eventos sobre as 10 obras vencedoras, nomeadamente exposições e tertúlias.

Não há muito que se dizer a respeito de uma lista baseada principalmente em votos, mas percebe-se um claro esforço de construção de algo que não se pareça unidimensional em termos de literatura. Dito isto é muito claro a ausência notável de “Grande Sertão Veredas” de Guimarães Rosa, sem dúvidas um dos mais únicos e representativos autores da língua portuguesa.

Há de se perceber também a preferência por uma “memória vagabunda” (termo genialmente atribuído a lista por uma Mestranda em Literatura da UFRJ), isto é romances “históricos” escritos sob o ponto de vista dos gentios. E apesar de todas as críticas importantes de serem feitas a estes dez nomes (nos quais não se enganem figuram livros excelentes), eu achei importante louvar a iniciativa como um todo. Esqueçamos o resultado, afinal ele não tem nenhum cabimento ou valor científico, o que importa aqui é que uma faculdade foi capaz de não só fazer com que todos os seus alunos (pois a pesquisa incluiu todos os campi e não apenas aquele de letras) passassem meses discutindo literatura, como também promoveu uma lista que gerou debate em muitas outras Universidades pelo mundo. Sem contar que estes mesmos dez livros serão agora temas de uma exposição na cidade de Coimbra que durará por um ano inteiro, visando a maior divulgação dos clássicos escritos em língua portuguesa.

Acredito que este tipo de iniciativa é uma forma muito interessante de trazer de volta para os lares e universidades brasileiras a literatura de nossa língua. Mais uma vez, não acredito que o resultado tenha algum propósito que não seja instigar discussão e trazer estes livros de volta ao destaque,  mas essas já são conseqüências muito positivas.

Direciono então esta pergunta ao leitor: Quais são para você os três (como foi perguntado em Coimbra) melhores romances em língua portuguesa que você já leu?

5 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. Não sabia desse júri! Muito legal a iniciativa, é algo que deveria ser repetido aqui no Brasil.

    Acho que meus 3 livros favoritos seriam Dom Casmurro, Senhora (José de Alencar) e Os Cus de Judas (António Lobo Antunes).

  2. Pois é acho que os meus seriam O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Noites na Taverna e Memórias Póstumas de Brás Cubas ou talvez Budapeste…

  3. Como podem ignorar "Memórias Póstumas de Brás Cubas"? Como podem ignorar "Grande Sertão: Veredas"? Como podem ignorar "Ensaio sobre a cegueira"?

  4. Só ficou meio esquisito o título do post, porque fala em "literatura portuguesa" e não "literatura de língua portuguesa", que são coisas diferentes (distinção que fica mais clara no corpo do post e no link do qual a informação foi retirada). Eu até fiquei pensando "Ué, Machado de Assis em Literatura Portuguesa?" Acho que valeria a pena arrumar, até para não criar confusão ^^

    Sobre a lista, é aquela coisa, o que vale a pena mesmo é a discussão. Acho uma pena a falta de Guimarães Rosa e Graciliano Ramos, e os colocaria fácil, fácil no lugar do Castelo-Branco. Mas sendo um levantamento realizado pela universidade de Coimbra, fica meio óbvio pq eles puxam a sardinha para o lado deles, e não o nosso =F

Participe com sua opinião!