em

DiDio fala sobre a Batalha pelo Capuz, Crise Final e a Noite Mais Densa!

[o artigo contém spoiler]

O site IGN Comics fez uma grande entrevista com o editor chefe da DC Comics, Dan DiDio, sobre Batman R.I.P., Flash: Rebirth (Flash: Renascimento), The Backest Night (A Noite Mais Densa), e os planos da editora para 2009, confiram:

IGN: Vamos começar com o Batman. R.I.P. que está pra terminar em breve e estamos caminhando para a Batalha pelo Capuz (Battle for The Cowl). Quais são as revistas chaves que devemos prestar atenção?
Dan DiDio: Bem, o único título chave agora é Batalha pelo Capuz, que é uma minissérie em três partes com 30 páginas cada, escrita e desenhada por Tony Daniel. Basicamente, a série terá todos os personagens importantes ao mundo do Batman. Mostraremos todos os vilões primários no UDC que já tiveram embate com o Homem-Morcego e então todos os heróis que foram inspirados por ele.

Portanto, todos estes personagens chegam em Gotham City e a palavra se espalha – algo aconteceu com o Batman. Os vilões se ascendem e os asseclas do Morcego tentam proteger a cidade. Daí nós vamos partir para uma série de one-shots que nos ajudam a compreender alguns dos principais personagens, já que “Batalha” é realmente um título insano – levamos a parte da “batalha” muito a sério. Esses one-shots servem para fechar a ligação de todos os personagens envolvidos no evento.

E então como ficarão os títulos oficiais do personagem, como Batman e Detective Comics?
DD: Depois de Fevereiro estes dois títulos entrarão numa pausa e voltarão meses depois em suas numerações normais. Além disso, cancelamos Robin, Asa Noturna e Aves de Rapina, mas isso não quer dizer que os personagens serão deixados de lado, muito pelo contrário. Todos estarão em “Battle for The Cowl” e em várias outra séries que começarão a partir de Junho, quando “Cowl” for concluída.

Tony Daniel me parece uma escolha muito boa para “Batalha”. Ele vem desenhando Batman ao lado de Grant Morrison há algum tempo – o que levou você a querer usar os talentos de escritor dele nesta série?
DD: Bem, vamos começar do começo. Contratamos Tony na época que ele já era conhecido como artista e roteirista devido a seu sucesso com o projeto The Tenth, e gostaria muito de trabalhar com Grant. Devido a sua familiaridade e prazer em fazer este trabalho com Morrison, achamos que era perfeito para ele finalizar todo este projeto.

Da última vez que falamos com Grant, ele nos disse que escreveria Batman o quanto pudesse. Você têm alguma idéia de quando ele planeja voltar?
DD: (meio tímido) Bem, claro que sim! (risos) Claro que sei quanto ele volta!

(Risos) Hã… depois que a Batalha pelo Capuz acabar?
DD: Seria o momento mais lógico para ele voltar, não? (risos)

(Risos) De fato. Nos últimos tempos vimos várias encarnações do Coringa. O Batverso encontrará sua versão definitiva do personagem?
DD: O que todos estão vendo agora é uma versão muito particular que Grant está usando em R.I.P. A parte boa disso é que assim que concluirmos a Crise Final e Battle for The Cowl, teremos uma versão unificada do Coringa, de como ele age e se comporta no Universo DC.

Você poderia falar um pouco de “Origins and Omens” e por que ela é importante para o UDC?
DD: Claro. Acredito que corremos um grande risco com a Crise Final, de certa forma, fazendo dela tão importante mas sem ressoar em nenhuma revista mensal. Muitas pessoas estão se perguntando no que esta história vai dar, então estamos numa estrutura de três passos bem organizada: primeiro, Faces of Evil começa em janeiro e nela mostraremos o novo tom do Universo DC. Nenhuma dessas histórias são conectadas entre si, mas todos envolvem um tema comum, que são os vilões.

Segundo, em fevereiro, vamos para Origins and Omens, onde todos terão as origens de personagens, depois o que é importante e o que você precisa saber sobre esses personagens e, por fim, onde pretendemos chegar com ele. Tudo isso será contado pelo Guardião Scar, que também será importante em Blackest Night, que começa em Julho de 2009.

Já em Março, quando começa “Battle for The Cowl”, teremos algumas grandes mudanças na franquia do Superman, bem como nos principais personagens da Liga da Justiça.

Parece ótimo! Com “Origins”, finalmente teremos uma origem definitiva para o Superman?
DD: Não nela, mas isso ocorrerá em 2009, com certeza.

Na Crise Final vocês optaram por uma maneira diferente de fazer uma saga, com números específicos de tie-ins e one-shots, sem crescer demais para o restante das revistas. Blackest Night seguirá esse esquema ou será como as sagas tradicionais?
DD: Acredito que teremos as coisas dos dois lados da moeda.

A sétima edição da Crise terá arte de Doug Mahnke. Por que ele foi escolhido ao invés de, por exemplo, Carlos Pacheco, com quem JG Jones já estava trabalhando?
DD: Nós contratamos Carlos para um determinado número de páginas, pois sei que ele tem um bocado de projetos para o futuro que estão lhe tomando um bocado de tempo. Portanto, Doug foi uma escolha natural, pois muito do que ele vez fazendo com Grant em Superman Beyond será vital para a última edição da Crise, além, é claro, de ele garantir que tudo estivesse pronto até Janeiro.

Recentemente vocês anunciaram o cancelamento de Besouro Azul e Manhunter (Justiceira). Sabemos que as vendas determinam esse tipo de decisão, mas alguns títulos acabam saindo do mercado. Vocês sabem dizer por que os leitores não estão lendo estes títulos?
DD: Eu acho que o principal problema hoje é que existem coisas demais para se escolher, muito barulho por causa de eventos e muitas revistas a se ler. E temos que ser realistas: as pessoas têm apenas poucos Dólares para gastarem com quadrinhos. Por mais que gostaríamos que as pessoas comprassem tudo que colocamos no mercado, sabemos que isso não é verdade.

Portanto, algumas vezes, títulos com os supracitados não ficam entre as escolhas preferidas dos leitores, mas mesmo assim não fico decepcionado com os personagens, muito pelo contrário, tentamos dar o maior suporte possível aos dois. Com isso, não é porque suas revistas foram canceladas que eles não darão mais as caras nos UDC, mas sim que eles ficarão em seus lugares por um tempo até que tudo esteja melhor estruturado para um possível relançamento.

Com a economia estando nos patamares que está e os custos de produção de quadrinhos, você vê a DC Comics diminuindo títulos no próximo ano?
DD: Acredito que devemos produzir de forma esperta. Não vamos produzir 60 ou 65 títulos mensais a não ser que as pessoas queiram todos eles. É nisso que devemos pensar, no que todos querem ler. Se as pessoas não podem comprar tudo, pelo menos faremos com que eles considerem calmamente suas decisões pois não queremos que eles se desconectem de tudo no atual momento.

Há alguma coisa que você possa nos contar sobre Flash: Rebirth? Quando os fãs verão a história chegando às lojas?
DD: Será na primavera (outono no Brasil). Já estamos com as primeiras páginas da primeira edição. Ela terá 6 edições e a melhor parte disso tudo é que ela trata de tudo como uma família, falando de Jay Garrick até Bart Allen.

Seguindo a onda da volta do Flash, existe algum outro personagem da DC que vocês estão procurando trazer de volta ou ter uma reforma criativa desse nível no ano que vem?
DD: O que vai acontecer em 2009 poderá ser visto em Blackest Night, que terá muitos personagens, tanto mortos há pouco ou muito tempo. Alguns desses personagens… o quê? Ele está fazendo sinais aqui pra mim! (risos) – DiDio aponta para Ian Sattler. Portanto, eles terão grandes papéis na história e depois disso, quem sabem?

Ian Sattler: Não sou Dan para poder revelar essas coisas, mas posso dizer que em 2009 teremos histórias novas e épicas em 2009, com Batman, Superman, LJA, SJA, Lanterna Verde, Flash, Titãs e todas as partes da DC. Coisas vão acontecer em 2009 e seguirão para 2010, 2011, 2012. 2009 é o ano em que o status quo sera mudado pra valer.

Um exemplo que posso dar é New Krypton. Quando as pessoas ouviram falar da saga, pensaram coisas como “Ok, então isso vai acontecer e agora todo esse povo está na Terra e daqui uns 6 meses todos voltam para a garrafa. Adeus 100.000 kryptonianos”. Mas não será assim.

DD: Vocês saberão os nomes de cada um dos 100.000 kryptonianos no fim da história (risos).

IS: Eu já decorei quase todos eles! São difíceis, cheios de consoantes e apóstrofos… e, sabe, tem um monte de El!

Enfim, é ótimo saber o que está vindo para 2009 – Battle for The Cowl, Blackest Night, New Krypton – estamos dando nossas promessas editoriais de que essas histórias valem de verdade, são importantes. Será fenomenal.

DD: Ele ligou o “modo convenção” dele (risos).

Só mais algumas perguntas para vocês, pessoal. Em 2009 os fãs podem esperar por uma volta do Aquaman?
DD: Blackest Night!
IS: Se alguém está morto no Universo DC e você quer saber onde vê-lo… Blackest Night!
DD: Geoff (Johns) está fazendo a lista dos mortos dele faz uns 3 anos. Ele está pronto pra se divertir! (risos)

A última pergunta é para você, Dan. Quais são os títulos que mais tem gostado de produzir na DC?
DD: Uau, essa é é difícil. Gostei muito da última edição da Liga com McDuffie, acredito que ele tem feito um trabalho brilhante com a equipe, bem como tenho adorado Geoff em Action Comics. O que ele fez redefinindo vilões, matando papai Kent, foi tudo muito perfeito. Há alguns dias atrás deixei um bilhete para Gail (Simone) falando pra ela o quanto estou gostando de Sexteto Secreto. Terror Titans também está muito divertido, principalmente porque pude acompanhar todo o desenvolvimento de Sean (McKeever) desde o comecinho, redefinindo um vilão dispensável como o Rei Relógio. Além de tudo isso, claro, Batman R.I.P. tem sido incrível e o mais difícil aí é saber que tudo isso é só o começo.

É muito interessante pra mim ver tudo isso, pois as pessoas estão realmente comentando todo esse material e não há sentimento melhor do que sentar em sua mesa de trabalho sabendo disso, não importa em que trabalho se esteja. Esses caras aí fora me surpreendem todos os dias tentando ser os melhores no que fazem. Nós sabemos que o mercado vai ficar difícil, por isso só podemos colocar o melhor material possível à disposição das pessoas. A última coisa que queremos é dar motivos pra elas não comprarem nada. Queremos ter o sentimento de que elas estão investindo em algo que vale a pena. Se atingirmos esse objetivo, podemos considerar nosso trabalho feito.

Fonte: Multiverso DC

O que eu acho? Meu nome termina com El, isso deve significar alguma coisa.

Lam.

alguém opinou!

Deixe sua opinião!

Deixe sua opinião