em , ,

Quadrinhos resgatam a história do rock nacional dos anos 1990

20080717120000_261_large_gabriel-thomaz-dos-autoramas-e-da-gravadora-discos-na-fabrica-da-polysom-no-rio-de-janeiro-lancar-discos-em-vinil-ainda-e-bom-negocio1Gabriel Thomaz, músico da banda Autoramas, é um dos nomes que representa o rock independente brasileiro. Colecionador de tudo que surgiu nos anos vindouros dos anos 1990 até hoje.  Há mais de 20 anos ele viaja com a missão não somente de produzir e tocar a sua música, mas para conhecer e divulgar várias bandas do mundo inteiro. Numa era pré-Internet, enchia a mochila com gravações dos outros para apresentar a produtores, músicos, jornalistas e amigos que foi conhecendo em suas andanças.

capa-HQ-magneticos90-3D-baixaAgora, ele decidiu contar algumas de suas histórias. Para isso, nada melhor que o universo dos quadrinhos, eterna fonte de inspiração, como leitor aficionado que é. A graphic novel Magnéticos 90, lançada pela Edições Ideal, faz um resgate da cena roqueira nacional dos anos 1990, sem deixar de lado a conjuntura política e social brasileira na retomada do processo democrático.

Com 224 páginas, o álbum possui uma narrativa divertida e até didática, Thomaz mostra experiências pessoais e traça um roteiro de aventuras e desventuras em série, de vários personagens e “roubadas”. As tirinhas foram desenvolvidas por Daniel Juca, e lembra ou melhor, apresenta muitos aspectos da época: de bandas a lojas, espaços de shows, festivais, publicações e programas de TV e rádio.

Pelo visto, Magnéticos 90, traz um olhar de quem viveu aqueles anos, de Planet Hemp, de Raimundos, de Los Hermanos, e com certeza cumpre com o papel de uma arte, representar a história de uma geração para novas gerações. Espero ter em minha coleção.

Leia também:

“O Futuro dos Autoramas” aponta para os bons novos rumos da banda

Participe com sua opinião!