em

The Wormworld Saga: A obra que promete consolidar o gênero de graphic novel online

“Faça- se uma pergunta! Quando você se recorda do passado, você consegue sempre distinguir quais memórias foram eventos reais e quais foram sonhos e fantasias?”. É com este argumento que Daniel Lieske inicia sua empreitada rumo à consolidação de um novo estilo de HQs online. Com The Wormworld Saga, o autor alemão recusa o rótulo simplista das web comics e surpreende ao exibir um belo exemplar de graphic novel online, cuja arte exuberante salta aos olhos, e o roteiro simplista, mas misterioso, cativa o leitor logo nos primeiros quadros.

A obra conta a história de Jonas, um jovem aparentemente comum; um estereótipo infantil bem familiar a todos: sonhador, aventureiro e com uns pequenos probleminhas no boletim. O enredo tem início com a narração do protagonista já maduro, questionando a veracidade de suas memórias. Diante de tal questionamento, Jonas afirma que caso tudo que se lembre tenha sido realmente verdade, existe, portanto, um lugar ao qual ele precisa regressar desesperadamente.

A sequência da narrativa se volta para o passado escolar do rapaz e se centra no início de suas férias. Vemos que Jonas possui alguns problemas de relacionamento com seu pai – aparentemente o menino é órfão de mãe, ou filho de pais separados, já que em momento algum sequer há menção sobre sua mãe. Posteriormente, quando pai e filho chegam à casa da avó de Jonas, vemos que ele possui um trauma de infância envolvendo um incidente com incêndio, o que nos permite inferir alguma coisa a respeito do passado – agora um tanto sombrio – do menino. A personalidade aventureira de Jonas se revela por completo logo ao final deste primeiro capítulo, quando conhecemos seu esconderijo secreto.

Apesar do roteiro simplista, a escrita de Lieske se utiliza da sutileza para nos instigar a querer lembrar de nossa infância, fazendo-nos questionar nossas próprias memórias, em um exercício saudosistamente torturante. É estritamente inteligente no que concerne à apresentação do protagonista em seu habitat, deixando algumas pontas soltas e provocando a concepção de  teorias sobre o passado e futuro de Jonas. É uma história que mescla elementos de aventura pueril, fantasia e grandes cargas de imaginação. É estritamente crível e paradoxalmente quimérico em sua sequência.

O formato se assemelha aos das tirinhas online, já que a HQ se desenha em uma sequência de leitura ininterrupta, projetada para ser lida em uma continuidade impossível de ser obtida nas páginas clássicas das revistas tradicionais, como certa vez teorizou Scott McCloud em Desvendando os Quadrinhos. A experiência da “tela infinita” é alcançada ao descer a barra de rolagem do navegador continuamente.

Mas o que talvez mais se destaque nesta obra é a qualidade incrível da arte do autor alemão. Em um estilo próprio, Lieske utiliza traços crus em uma técnica impressionante de digital paiting. Seus personagens possuem um traçado caricato, mas uma expressão facial característica, responsável por definir sentimentos com exatidão. O destaque vai para os ambientes extremamente detalhados e muito bem trabalhados. O artista se utiliza de uma paleta de cores eclética, que acompanha com harmonia os belos desenhos da obra.

Ambientes fantásticos: em todos os sentidos!

Lançada em dezembro do ano passado, a HQ possui apenas um capítulo até o momento, e está disponível gratuitamente em português no endereço www.wormworldsaga.com. Atualmente Daniel Lieske trabalha no segundo capítulo da saga e em um vindouro aplicativo para iPad. Se você nunca deu uma chance para HQs autorais, eis a oportunidade. Garanto que não irá se arrepender.

[xrr rating=4/5]

alguém opinou!

Deixe sua opinião!
  1. Desculpa, mas pelas duas fotos apresentada na matéria, não dá a mínima vontade de ler isso, ainda + se for na frente de um computador.

Participe com sua opinião!

Audaz

Publicado por Rafaell Reboredo

Crítica: Meia-noite em Paris

“The Good Wife” honra a TV aberta americana