Estreou sábado, 06 de Setembro, no Rio, o espetáculo “Deus e diabo na terra do sol”. Em cartaz pelo Circuito Sesc, passará por nove unidades da rede, entre os dias 06/09 e 09/10. A montagem é uma adaptação do roteiro original de Glauber Rocha (lançado cinematograficamente em 1964), e não ficará apenas no Sesc mais também fará ainda três apresentações no Teatro Glauce Rocha, como integrante da programação da ocupação Glauce (Com)Vida.
A Definitiva Cia. De Teatro abriu as portas de seu “passadão” (ultimo ensaio antes da estreia da temporada) para nossa equipe, em uma conversa boa, gosta e informal e nos mostrou um pouco do que estão providenciando para essa nova temporada, e nova fase que a Cia. está vivendo.
Para ganhar vida nos palcos teatrais, o texto de Glauber Rocha passou por adaptações, visto que, nos anos 1960, a dramaturgia foi criada com os códigos e recursos próprios do Cinema.
A montagem nos leva a um passeio pelo Sertão, a simplicidade e pobreza e a força da religiosidade. Uma boa reflexão cultural e histórica, os constantes conflitos entre o Bem e o Mal. A luta pela sobrevivência. No centro da história temos Manuel, um vaqueiro que em defesa de seu orgulho e dignidade, mata um coronel que tenta extorqui-lo. Perseguido por soldados do coronel, Manuel foge com sua mulher Rosa, e se une ao grupo religioso Santo Sebastião.

deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol-texto-glauber-rocha

A Cia que teve seu inicio a partir da montagem do musical Calabar… (Chico Buarque e Ruy Guerra), em 2008, na UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) se dedicou, então, a elaboração de um espetáculo no qual pudesse investigar ainda mais a fundo a relação da Música com a Cena, e poder discutir a relação questões pertinentes da história e da Cultura Brasileira.
Em outubro de 2011, o espetáculo “Deus e diabo na terra do sol” estreou na universidade. Após participação em dezenas de festivais pelo país, a Cia. Provisória, tornou-se, a partir da estreia do espetáculo no circuito profissional, Definitiva Cia. de Teatro – com agenda cheia até novembro deste ano.

teatro-deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol-definitiva-cia-de-teatro- Créditos fotográficos: Foto 1, foto 2 ,3 – capa – Philipp Lavra

Em uma entrevista exclusiva comigo pelo Ambrosia, o diretor e também ator Jeffersom Almeida nos conta como tudo começou:
– Somos uma Cia. desde 2008, quando estreamos nosso primeiro trabalho: “Calabar…”. O “Deus e o diabo…” só estreia em 2011, depois de um pequeno recesso proveniente da longa circulação da nossa primeira peça (2008 a 2010). Quando resolvemos encarar o novo projeto, todos éramos alunos da UNIRIO, e três integrantes do elenco da Cia. não puderam estrear este espetáculo – porque tinha que cumprir obrigações acadêmicas – passando a integrá-lo a partir de 2012. São eles a Paula (Sholl), o Hector (Gomes) e o Raphael (Marins).
Como surgiu a ideia de trazer esse texto com a investigação de acrescentar a música?
– A ideia de montar “Deus e diabo…” surgiu no final de 2010. O recesso que demos, serviu para que buscássemos um texto que nos motivasse de novo. Achamos! Nos encontramos com o filme “Deus e diabo…”. Eu propus para galera a leitura do roteiro, e aí embarcamos nessa de fazer. Além do assunto, eu intuía que o mote servia à nossa pesquisa, já considerando a emblemática trilha que Sérgio Ricardo compôs a partir de um cordel escrito pelo próprio Glauber. Lá [no filme], as músicas constituem uma narrativa paralela; Tamires e eu tínhamos, então, como adaptadores, a missão de achar uma forma de as músicas pertencerem ao texto, a cena, em vez de ser uma “leitura de lado”. Achamos! Uma vez que o texto estava pronto, elencamos quais eram os assuntos dos quais o texto tratava, e eu elaborei alguns laboratórios. Os personagens começaram a surgir enquanto ideias/partituras nesses laboratórios.
Uma vez tendo o texto, a gente escolheu, elencou quais eram os assuntos dos quais o texto tratava e aí eu elaborei alguns laboratórios, e as personagens começaram a surgir enquanto ideias, e partituras, nesses laboratórios. A construção das personagens veio de seus próprios laboratórios e gêneses.
A produtora e também atriz do espetáculo com a personagem Rosa, Tamires Nascimento, continuou nossa exclusiva com a Cia, contando o que esperam dessa nova fase, onde a produtora temporária se tornou Definitiva Cia de Teatro com fechada até Novembro.
“Estreamos na Unirio, depois viajamos com um monte de festivais pelo Brasil, muitas vezes em situações muitas precárias. Esse ano nós conseguimos, desde o inicio a nossa vontade é contar essa história, mostrar nossa história e a gente está batalhando e sendo agraciado por pessoas muito legais pelo caminho que gostaram da peça e olham para ela e falam “nossa legal isso aí, vou te ajudar a contar essa história”. Daqui a gente está querendo que esse circuito renda novos projetos, que a gente continue plantando para continuar colhendo com esses textos. Novas temporadas e “mostrar para quem ainda não viu!”.”
E finalizando nossa exclusiva com a Definitiva Cia de Teatro, o músico Renato Frazão compartilhou como foi trazer a trilha sonora do filme para os palcos de um Teatro vivo, e como a sensibilidade de seus ouvidos junto da confiança que o elenco possui, faz da peça rica em diferenças:
“O Teatro não se repete, deixei uns lugares para ter uma liberdade, então sempre tem uma graça de tocar de novo, nunca é igual”.
Elenco:
Betho Guedes, como Cego Júlio
Eduardo Bastos, como Antônio Das Mortes
Guga Almeida, como Manuel
Hector Gomes, como Sebastião
Jefferson Almeida, como Corisco
João Vítor Novaes, como Coronel e Figura
Paula Sholl, como Mãe e Dadá
Raphael Marins, como Coronel Morais e Padre
Tamires Nascimento, como Rosa
Apresentações:
SETEMBRO
06 – Sábado – 20h – Sesc Nova Iguaçu
12 – Sexta-feira – 20h – Sesc Campos
18 – Quinta-feira – 19:30h – Sesc Madureira
19 – Sexta-feira – 19h – Sesc Ramos
20 – Sábado – 20h – Sesc Nova Friburgo
26, 27, 28 – Teatro Glauce Rocha
OUTUBRO
11 – Sábado – 20h – Sesc Engenho de Dentro
16 – Quinta-feira – 15h – Sesc Duque de Caxias
24 – Sexta-feira – 20h – Sesc Niterói
NOVEMBRO
22 – Sábado – 20h – Sesc Teresópolis
Ficha Técnica:
“Deus e o Diabo na Terra do Sol”
Argumento – Glauber Rocha
Diálogos – Glauber Rocha e Paulo Gil Soares
Música – Glauber Rocha | Letra
Sérgio Ricardo | Música
Direção – Jefferson Almeida
Assistência de direção – Tamires Nascimento
Direção musical – Renato Frazão
Elenco – Betho Guedes, Eduardo Bastos, Guga Almeida, Hector Gomes, Jefferson Almeida, João Vítor Novaes, Paula Sholl, Raphael Marins e Tamires Nascimento.
Stand-in – Marcelo de Paula.
Preparação vocal – Laura Lagub
Treinamento de ator – Daniel Chagas
Cenário – Lia Farah e Rodrigo Norões
Figurinos e adereços – Arlete Rua e Thaís Boulanger
Confecção de bonecos – Carlos Alberto Nunes
Cenotécnico: Margareth Barbosa
Visagismo – Rodrigo Reinoso
Iluminação – Yuri Cherem e Lívia Ataíde
Operação de luz – Lívia Ataíde
Músicos – Renato Frazão e Diogo Brandão
Assistente de Produção – Nicholas Bastos
Produção – Jefferson Almeida e Tamires Nascimento
Direção de produção – Sandro Rabello e Neila de Lucena
Realização – Definitiva Cia. de Teatro e Diga Sim! Produções