em

Lost: O episódio perdido e muitas explicações

Este artigo pode conter spoilers para aqueles que não assistiram a série Lost ou que estão aguardando a chegada do DVD da última temporada ao nosso país, para apreciarem o que ele trará de bacana para nossa diversão. Portanto, se você se encaixa em uma dessas categorias, vai ter que se segurar mais um pouco para saber sobre The New Man In Charge e o que ele trás de tão interessante.

Prometido como o “episódio perdido” de Lost, esta soma de 11 minutos com Hugo Reyes e Benjamin Linus mostram a situação da ilha agora que os dois são os responsáveis por ela, e o simpático gordinho tornou-se o novo Jacob. Como vimos em The End, a dupla escolheu tomar conta daquele lugar por vezes abençoado, por vezes amaldiçoado, de uma forma como nunca houvera antes, com uma liderança marcada pela esperança e cuidado com as pessoas que Hugo sempre teve.

Um dos maiores temores das pessoas que chegaram ao final do seriado e escolheram participar deste hype extra com as cenas cortadas, era de que elas não somassem nada e apenas se resumissem em mais alguns momentos de respostas não dadas. Estariam Hurley e Ben catando coco na praia da ilha e batendo papo sobre a vida? Talvez sobre Geronimo Jackson? Felizmente, não foi o caso, e uma penca de coisas que nos perguntávamos desde a segunda temporada foram estampadas nestes 11 minutos inéditos de seriado.

Um novo poder, uma nova era

Nos flash-sideways vimos que Hurley era mais esperançoso, e esta figura passou a fazer parte de sua personalidade na linha do tempo normal após ter sido escolhido por Jack Shephard para tomar seu lugar como líder da ilha, no final da série. Mesmo que de forma indireta, com o epílogo entendemos que esta nova direção é mais esperançosa e de bom coração. Ben consegue sua redenção tornando-se o ajudante de Hurley que, diferente de Jacob (e dos possíveis Jacobs anteriores), é alguém que se importa – um verdadeiro líder.

Iniciativa Dharma e a comida vinda do nada

Este questionamento tomou a cabeça dos fãs por anos e anos. Falava-se que a comida que chegava na ilha embalada com símbolos da Iniciativa Dharma era resultado dos lapsos temporais em volta da força magnética daquele lugar. Uma outra vez o seriado abre suas verdadeiras cortinas e revela que tudo é mais simples do que se espera.

Suprimentos recuperados pelos sobreviventes na 2ª temporada

Já no início desses 11 minutos, vemos Ben visitando o que seria uma espécie de armazém da Dharma, e apresenta-se aos dois empregados que estão embalando comidas como o cara da matriz, explicando que aquela filial estava sendo fechada permanentemente. Após o susto e má compreensão dos rapazes, Ben opta por responder uma pergunta a cada um deles, que nada mais é que perguntas que os telespectadores tinham. Então descobrimos que eles continuavam recebendo suprimentos para enviar por meios diretos à ilha, e questionam como tudo poderia ir pra um lugar só com coordenadas que viviam mudando. Nós sabemos: a ilha se move. Eles não acreditam. Portanto é hora de conhecermos a Estação Hidra.

A Estação Hidra

Uma das coisas que pipocou na internet e nos podcasts na época em que a quinta temporada terminou era sobre a verdadeira necessidade de se ter ursos polares em uma ilha tropical. A última conclusão dos fãs era de que os ursos seriam utilizados em um experimento para girar a roda que movia a ilha. Afinal, ela foi construída no local mais gélido daquele ambiente misterioso, e os animais estariam mais aptos a isso. De fato, explicaria porque Charlotte, na quarta temporada, acha uma ossada de urso polar no meio do deserto da Turquia com uma coleira da Dharma. Mas não é bem assim, e mais uma vez o seriado nos surpreende.

Ben mostra um vídeo de instruções da Estação Hidra – que basicamente eram experimentos genéticos e comportamentais com animais naquela ilha específica – aos homens citados no tópico anterior, com Dr. Pierre Chang, que também explica porque aparece em outros vídeos com pseudônimos, e muito mais. Fechou bons laços com a série.

Walt

O menino Walt permaneceu como um dos mistérios mais mal explicados de todo o programa. Por que raios ele era tão especial para aquelas pessoas da ilha que o sequestraram e por que ele teve um final tão bobo? No epílogo, descobrimos que ele estava internado no mesmo hospício pelo qual passaram Hurley e sua falecida e amada Libby, certamente tendo desistido de viver normalmente com os poderes que tem. Ben o visita e lhe convida a voltar à ilha, o que é prontamente aceito pelo órfão.

Muito bem, Walt foi levado de volta, afinal aquele era seu lugar. Mas qual o motivo disso? Estariam Hurley e Ben pensando em algo com animais, devido ao poder especial do garoto de atraí-los com a mente? Estariam eles pensando em restaurar a fauna da ilha com Walt? Essa não ficou muito clara, mas poder teorizar a respeito já é ótimo, afinal essa foi uma das grandes premissas da série.

No geral, foi um bom epílogo. Trouxe de volta a aura de mistérios e teorias do programa de TV, e deu aquele gostinho de quero mais para quem já estava com saudades. Mas depois dessa, Lost acabou. Pra sempre.

O que você, leitor do Ambrosia e fã de Lost, achou deste epílogo? Valeu a pena? Gostou das respostas? Deixe sua opinião aí nos comentários!

4 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. excelente artigo! olha, não haveria a necessidade de um epílogo explicativo se os roteiristas soubessem lidar melhor com o monstro de uma última temporada. apesar disso, este bônus apasigua os ânimos e nos tira um pouco do desfecho gospel que foi a sexta temporada. a parte cientifica de lost sempre foi a mais mítica e o final espírita saturava e confundia essa sensação mítica. o epílogo científico veio para melhor, apesar de ainda não sabermos muitas coisas ao certo.mas quer saber? grandes histórias não dão grandes explicações. bom é a dúvida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Street Fighter

Publicado por Morcelli

ColecionadorCinéfiloGibizeiroRepórterSuper-fãs

FLIP 2010: quando a literatura abriu espaço para a política

Editora Barba Negra estréia durante a Bienal do Livro