em , ,

“Divórcio”, uma (realmente) divertida alegoria conjugal

Para começo de conversa: sim, “Divórcio” é um bom filme. Essa afirmação só não soa genérica por se tratar de uma comédia nacional, o que nem preciso ficar aqui justificando o próprio paradigma. O diretor Pedro Amorim tem se destacado por fazer comédias que conseguem, no mínimo, serem medianas, mas trabalhando com roteiros espertos e olhar o mais cinematográfico possível.

Aqui, entrega seu melhor e mais engraçado trabalho. Até o roteiro, do prolífero Paulo Cursino, é o melhor que o roteirista já entregou no gênero (com colaboração de Angélica Lopes, a partir do argumento de L. G. Tubaldini Jr). Camila Morgado, hilária, é Noeli e o ótimo Murilo Benício é Júlio. A trama tem início quando a jovem Noeli é raptada do altar por Júlio. Juntos, eles formam um humilde casal que enriquece ao criar o famoso molho de tomate Juno. Com o passar dos anos, com muito dinheiro e donos de uma grande empresa, eles se distanciam e um acidente na estrada é o estopim para a separação. O que desencadeia uma verdadeira guerra matrimonial com direito a advogados famosos e sagazes, e até explosão de carro.

A trama tem uma grande sacada que é o de retratar com esperteza arquetípica o microcosmo cultural do interior de São Paulo, com seu expansivo universo sertanejo e ricaços extravagantes. A caricatura é hilária e segura as pontas de toda sua previsibilidade. A briga de gato e rato de um casal em crise acaba sendo ainda mais irresistível dentro desse contexto, muito valorizado pelo trabalho mútuo dos atores em suas composições hilárias – a histeria de Morgado e o comedimento de Benício, que nos faz indagar por que fazem tão pouca comédia.

Com isso, Divórcio foge daquele paradigma de “comédias banais feitas por cartilha para cavar seu milhão”. E sabe por que? Porque está mais preocupado em ser um real filme de comédia do que um oportunista rei de bilheteria.

Filme: Divórcio 
Direção: Pedro Amorim
Elenco: Camila Morgado, Murilo Benício, Luciana Paes
Gênero: Comédia
País: Brasil
Ano de produção: 2017
Distribuidora: Warner Bros
Duração: 1h 50min
Classificação: 12 anos

Deixe uma resposta

Publicado por Renan de Andrade

Renan de Andrade

A paixão pelo audiovisual me pegou de assalto desde o berço. Assim como a necessidade de desbravar o alcance da comunicação. Formado em Jornalismo e atuando nas áreas de roteiro e direção na TV, sinto-me cada vez mais imerso nos matizes da arte (audiovisual) e da vida (comunicação).

Insano, “Mãe!” é um exercício metafórico para amar e odiar

“O Sequestro” transforma história de suspense em comédia involuntária